sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

PEQUENA ODE AO SATAN




Nunca tiveste endereço, viveste sem eira e nem beira
preso em teu pequeno mundo cercado pelo
muro da propriedade que nunca foi tua.
Tua voz de som único
porém, às vezes,  polissêmica  para quem
lambias as mãos como a forma mais submissa de afagos.Ainda assim te ignoravam.
Como viajante do mundo, dormias na escuridão
preso aos grilhões da sua insignificância de cão.

Mas era livres de impostos, religiões , dogmas e ideologias
tua unica ambição, mesmo se mostrando na escuridão,
era o outro dia. Oh! eterna agonia !
Para que te serviu os dedos livres dos anéis da monotonia
se sequer tinhas a filosofia barata (mas somente bravatas )
na tua amarga vida  ?  Porque não escreveste sobre tua trilha ?
Respondo:  Mais que coragem faltou-lhe o polegar opositor e
um lobo frontal denso.
Tinhas ? Então estavam dormentes !!

Se na resignação estava tua valentia,
no grunhido surdo a tua covardia.
Nem redentor tu foste, por que então tanto heroísmo ?
Carcareja, tolo, enquanto  tempo, esperta é a galinha ,disseram-te os falsos amigos conselheiros !!
Fostes amargo ( e quem não é ) neste mundo de tormentas e
ainda assim partiu , moço e anônimo,  à senda da prolixia.
Afogou- se no pântano da ignomia, sem eira nem beira a troco da idolatria.
Querias ser  Hermes mas tuas asas  eram de barro.

Chamaram -te de cão,
chamaram-te de cachorro,
mimosamente de Satan,
mesmo sendo,  estes , cristãos.
Viveste na sombra  e nem sabe se ao pó voltarás.
Ninguém sabe nem por que vieste ao mundo.O que veio fazer entre nós ?
Nem soube dizer se doía quando respirava !!
Foi e nem teve o prazer de vestir branco...

 ________________________________________
Essa coisa pobre e ridícula  _  não sou poeta  _  é dedicada ao cão do meu inimigo anônimo, que nesta semana morreu afogado na própria baba.O seu nome de batismo era Santangooes, mas para os íntimos, que não é o meu caso, Satan.
Não ficou lá essas coisas , mas está a altura de quem não foi nada neste mundo caduco.





terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Fábula Juruaense


fonte da imagem: www.viafanzine.jor.br


Conta a lenda que outrora, um dito cidadão respeitável que não ganha quatro mil cruzeiros  por mês, morador da zona rural de nossa cidadela do interior acreano, sentiu-se mal. Ele era um desses bravos, que não dão moleza ao corpo e não deixam o roçado à mercê da sorte por qualquer febrezinha  de 40 graus, não senhor ! Nunca capinou sentado e na sombra. Não tinha  nada de Macunaíma, o nosso personagem.

Nunca antes achou necessária a consulta a um médico. Para quê, se na mata tinha todo tipo de remédio que precisava ? Sua nêga companheira fazia cada chazinho milagroso e escalda-pés  capaz de espantar todo tipo de brunhuras, tanto do corpo quanto da alma.   " _ O nosso dotô, aqui veste verde, sêo moço" , gabava-se aos conhecidos

Porém, dessa feita por mais que tomasse o chá do Cajiru, o desconforto não passava. Resolveu  depois de  meses de   xêpas que deveria  finalmente recorrer à medicina alternativa. Deveria , por fim , encarar a Cidade  dos Homens. Mundo-ético de gostos finos e duvidosos que lhe causava ojeriza. Como não sabia dizer essa palavra, dizia que " tinha era nojo ".  Não das pessoas e da higiene delas,  mas dos trejeitos afrescalhados e das meias palavras ditas sem valor algum.

Resolveu, para encurtar caminho, ouvir conselho do seu primo que já havia se consultado antes na cidade e detinha, portanto, certa experiência no assunto. Ouviu em tom solene " que por lei deveria primeiro procurar a porta de entrada do Sistema Único de Saúde".

 - E que diabo de porta é essa hômi ? Interrompeu.
 - É  um posto de saúde, primo.

Dito e feito, ao chegar à cidade procurou a tal porta. Algumas estavam fechadas, outras estavam aberta mas faltava " o dotor".  Até que finalmente, depois de andar léguas, achou uma porta aberta com o "dotor" dentro. Como não havia mais vaga para consulta naquele dia, foi convencido a voltar no dia seguinte. No outro dia, esperou por mais de três horas na fila. Agora chegara a sua vez.

O " dotor", muito atencioso, sem o olhar na cara pergunta o que ele sente. Responde : " _ sinto uma dorzinha aqui ",  aponta para a região do púbis. Sem continuar olhando para sua cara , o médico deduz que seja verme e lhe receita umas pílulas para dor de cabeça.

Como a sua dor, obviamente,  não passava, retorna depois de uma semana ao mesmo posto.O médico lhe receita agora remédio para verme, para curar a dor de cabeça que ele sente na região escrotal. Desconfiado, ele procura o diretor do posto.. O gerente - humanizado -   confessa  que ali,  ele não teria solução :

_ O senhor deve procurar um  especialista.Vá imediatamente ao Hospital  e lá o senhor vai conseguir.Vou lhe dá o nome de uma pessoa nossa lá  que consegue uma consulta mais rápida para o senhor, sem que entre na fila. Só não esqueça na próxima eleição quem está lhe ajudando, viu ?

Chegando ao hospital, viu ser esse bonito, grande, imponente e bem limpo.Concluiu que ali estava a solução para o seu mal. E foi procurar o nome indicado pelo gerente do posto. E se sentiu importante, visto que desta feita,  não enfrentou fila.Pelo contrário, viu-se  superior àqueles coitados que avistou  na sala de triagem, sofrendo,  a espera do atendimento. Já sabia até o nome do santo milagroso para votar no dia 03 de outubro.

No consultório, o médico o olhou de cima a baixo e perguntou o que ele sentia.Começou a contar sua sina e foi logo percebendo que o médico começou a ficar impaciente , a olhar para o relógio. Repentinamente  foi interrompido.O médico lhe receitou pílulas para dor de cabeça e vermes. Disse-lho que não podia ajudar e que ele deveria  procurar um especialista na área. Explicou que só entendia de pulmão. Ou seja, ele não entendia nada sobre doenças nos escrotos, ou doenças nos bagos, dito no popular.  " _  Daqui a três meses teremos um especialista, volte para se consultar.Até lá tome essas pílulas ".

Triste , o homem resolveu procurar o seu sindicato. O dirigente sindicalista , muito prestativo , achou aquilo um acinte.  "_  Nós vamos lhe ajudar meu bom homem.Vamos processar todo mundo".   Tirou de uma gaveta um cartão de visita e deu ao nosso  personagem.  "_ Esse é o doutor Marcio, vou lhe levar lá agora para o senhor contar a ele o seu problema ! "

Foi levado ao escritório do advogado. Foram apresentados. Notou logo que o "dotor" ali era diferente dos demais. Ele não usava aquela roupa branca, vestia paletó e gravata e lhe olhava nos olhos. Deduziu que enfim estava diante de um especialista : " _ em que posso ajudá-lo senhor ? ", perguntou o advogado.

Não perdeu tempo. Foi logo baixando as calças e dizendo:

_  Dotor eu sinto uma dor horrível aqui no meu ovo esquerdo, me ajude por favor !

O advogado, assustado, disse que não podia fazer nada sobre aquilo.

_  Ué, o senhor não é um dotor especialista ?

_ Sim meu amigo, mas o meu negócio é Direito, o senhor me ouviu ? Sou especialista em D-I-R-E-I-T-O !

Aí , o homem foi à  loucura: " _ Vai ter especialista assim lá na casa do cacête !!!

 ____________________________________________
Moral da história: Se tens problema no ovo esquerdo, continue a tomar chá de Cajiru. Se tiveres dinheiro vai se tratar na medicina particular, fora do país.

    
Ocorreu um erro neste gadget

Arquivo do blog