sábado, 27 de março de 2010

A mão que balança o berço

Nos últimos dias a mídia nacional esteve ocupada em " novelar" o julgamento dos supostos (agora culpados) assassinos da menina Isabella. Em raros intervalos ,conseguimos, porém, ter acesso a outras informações.E algo me chamou a atenção: quase uma dezena de casos envolvendo alunos versus professores e diretores de escola em uma unica semana.

Em uma escola vários alunos foram barrados porque não estavam uniformizados de forma devida.Em outra foram impedidos porque chegaram ao colégio calçando chinelos- de- dedo.Já na seguinte um aluno foi compelido a deixar  a sala de aula devido a seu corte de cabelo estilo " moicano".E outros casos da mesma natureza se sucederam na semana. 

Não vou aqui entrar no mérito de cada caso.Vou entrar, sim ,no mérito que une todos os casos: a dificuldade da geração atual de se submeter às regras de convivência social. Todos os professores e diretores foram unânimes em afirmar que tais regras foram pactuadas e decididas em conjunto com os pais dos alunos, antes do inicio do ano letivo.

Pode até parecer que sou retrógrado, antiquado e conservador. Pelo contrário. Sou a favor, sim ,da liberdade individual, onde cada cidadão faça o que bem quiser com o seu corpo e mente.O problema é dele, exclusivamente dele. É o livre arbítrio da divina natureza, doada ao ser humano.

Entretanto a liberdade individual só é válida se houver respeito ao próximo, ao pacto social dos "fisicamente desvalidos"  de  Nietzsche. Isto requer a existência de regras.Regras também são da natureza humana, sendo o homem um ser que vive em sociedade.

Não é a  falta do uniforme e/ ou o corte de cabelo extravagante que vêm prejudicando nossa educação, mas sim o que destes fatos podemos depreender.A escola não é lugar somente para aprender aritmética e outras produções científicas e literárias.Ela também é lugar para se formar cidadãos que aprendam a ter limites, complementando a educação familiar.

O aluno como qualquer cidadão ,tem que saber que existem regras a serem obedecidas, mesmo que com elas não venhamos a concordar. Podemos discuti-las sem as desobedecer e assim legalmente lutar pelas mudanças.

O mais lamentável de tudo isso foi a atitudes de alguns pais, que preferiram ficar a favor dos filhos, mesmo estes estando desobedecendo ao que os próprios pais decidiram junto com a direção da escola.A mensagem ou a lição que estão dando aos rebentos é : façam o que bem  entenderem, desobedeçam às leis e  não respeitem as autoridades.Estaremos sempre com vocês mesmo que estejam errados.Vocês podem tudo.

Assim fica claro porque lecionar hoje é uma profissão de risco. O  professor ao impor regras de boa conduta está correndo risco de morte.Os alunos pensam que tudo podem, inclusive agredir aos professores.Sabem que a mamãe e o papai virão na sua defesa incondicional.O professor ou diretor sempre serão o monstro da história.

As gerações anteriores que lutaram pela democratização da sociedade, inclusive nas escolas , não queriam essa falta de ordem e respeito. Lutaram contra a tirania, contra a imposição de uma minoria sobre a maioria e não favor da desobediência civil e de uma sociedade sem regras, onde impera a anarquia total .

Depois a culpa é só do governo quando uma lei " não pega" ou pelo aumento da criminalidade, contravenções  e outros males advindos da clara desobediência à lei. E a família, a igreja e a escola ,onde estão ?  Um país de bons homens, começa pelo país de bons meninos. 

quinta-feira, 25 de março de 2010

Prefeito ator perfeito

" § 1.º A publicidade dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos deverá ter caráter educativo, informativo, ou de orientação social, dela não podendo constar nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridades ou servidores públicos." (C.F/ 88 Art. 37 inciso XXII)

Abro o post de hoje com o preâmbulo acima, extraído da Constituição Federal de 1988. É incrível como algumas autoridades teimam em descumprir as leis. Confiam, talvez, na impunidade e na falta de vigilância dos outros poderes constituídos. Em uma democracia que se preze um poder controla o outro e não são excludentes entre si.

Ora, quem assiste a uma propaganda oficial veiculada pela prefeitura em Cruzeiro do Sul nos meios de comunicação local, se prestar um pouquinho só de atenção verá que o principio constitucional da impessoalidade, também refletida no preâmbulo supracitado , foi , inequívoca forma ,   desobedecido.

O que se ver é figura caridosa do prefeito  abraçando um velhinho. Isto é promoção pessoal a custa do dinheiro público. Quem realiza o projeto ou a política pública é a prefeitura e não a pessoa do prefeito. Ele não tem o direito ,de acordo com nossa constituição, de ligar sua imagem pessoal ao fato divulgado. Quantos centavos ele tirou do próprio bolso para realizar o evento ?
 
Essa não é a primeira vez

Alguns podem até argumentar que isso é uma coisa pequena. Que existe coisa mais importante do que ficar criticando as aparições ilegais do prefeito. Para esses respondo que não existe  erros grandes e nem pequenos perante a lei. Improbidade é improbidade e fim de papo.

Alguns críticos do prefeito debocham de sua inteligência. De minha parte , pelo contrário , considero-o esperto até demais.Essa aparição não é mera coincidência. Ela é ardilosamente planejada. Funciona como espécie de mensagem subliminar para promover a pessoa e não a autoridade.

Quem duvida disto, basta buscar na memória outra propaganda , desta feita sobre o conserto de uma bueira , quando a figura do prefeito aparecia dentro do canteiro da obra, sujo de lama, como se ele também estivesse " pegando no batente". Raposa velha-do- rabo- felpudo , esse prefeito, não ?   

quarta-feira, 24 de março de 2010

Servir ao público não é para qualquer um

Ontem (23), uma emissora local divulgou o descontentamento de usuários do posto de saúde localizado no bairro João Alves em Cruzeiro do Sul. Segundo a reclamação o posto de saúde encontrava-se fechado, sem atendimento ao público.

Hoje pela manhã a direção do posto , através de um comunicado , respondeu à crítica dos usuários, justificando  o ocorrido.O conteúdo do escrito foi lido pelo apresentador do programa de notícias. Feito o que manda a regra básica do jornalismo, que é dá voz as partes envolvidas, assunto encerrado.

O que me chamou a atenção, porém , foi o teor ideológico do comunicado. Dele podemos depreender  algumas conclusões de como se funciona o serviço público no país, ou pelo menos, como ainda se comporta o servidor público na sua missão.

                                   " O cliente tem sempre razão " 

A máxima acima é uma espécie de " mantra" _ ou deveria ser _ nos setores  prestadores de serviços da sociedade que lidam com clientes/usuários e que procuram ter um mínimo de eficiência no que se propõe a fazer. Isto independe da natureza jurídica do prestador , seja privada, seja pública.

Se o usuário do sistema de saúde, está "desinformado" como dizia o comunicado, então é por que a falha está no próprio sistema. Não há porque culpar o usuário. Se a prefeitura gasta tempo e milhões para produzir suas propagandas com coisas menos importantes, e deixa de informar  algo tão essencial como o funcionamento de seus postos, qual é a responsabilidade dos usuários nisto ?

Outro ponto diz respeito a queixa da direção do posto contra o usuário já que " é fácil apontar os defeitos e não ver o que estamos fazendo de bom".  Caramba ! Este usuário deveria ser premiado. Ele está contribuindo para a melhoria do serviço público ! Do que é bom ninguém é obrigado falar. Deixa isso por conta das propagandas oficiais. O  prestador simplesmente está cumprindo ao estabelecido nas diretrizes do SUS.

Não existe nas literaturas sobre a prestação de serviço, seja esta pública ou privada, nada que diga que os usuários tem o dever legal ou moral de elogiar o serviço prestado.A compensação está na sensação do dever cumprido. Quando alguém reclama , está dando a chance ao prestador em melhorar o serviço .

É mister deixar bem claro que este tipo de comportamento não exclusivo do posto em questão ou mesmo da prefeitura. Por enquanto, infelizmente, tem sido a regra geral .Não é uma tarefa fácil aceitar a crítica, principalmente no serviço público, onde a maioria ainda  situa-se nos ultrapassados modelos patrimonialista e burocrático.


segunda-feira, 22 de março de 2010

Satã não atrapalha e Náuas vence

É , o Náuas ontem calou minha desconfiança. Fiquei feliz em ser contrariado.E mais: um gol de diferença foi pouco, ficou barato para a equipe do Rio Branco.A verdade é que o Estrelão ainda não conseguiu apresentar este ano uma partida digna de sua capacidade.

O sistema defensivo do time da capital é muito fraco. Isso ficou evidente na jogo contra o Juventus e ontem se repetiu contra o Náuas.Um pouquinho mais de eficiência ao ataque do Cacique e ontem teria ocorrido uma goleada  histórica.

Um time como o Rio Branco, depender somente de um jogador, no caso o Ley, para organizar as jogadas é muito pouco.Depois que esse jogador cansou, o time simplesmente parou. Ao contrário do que alguns andaram dizendo o Náuas, não sofreu nenhuma pressão.As jogadas de ataque do Rio Branco eram esporádicas e de bolas paradas que eram alçadas na área.

Há de se elogiar, o sistema de jogo do Náuas , a tranquilidade de alguns jogadores e o empenho de outros. O time estava bem postado em campo.Mérito para o treinador.Quem estava nas arquibancadas conseguia enxergar o desenho tático do time, coisa difícil de se ver em anos anteriores.

Destaque para a atuação do zagueiro Doni, que ontem foi perfeito na marcação e na cobertura dos companheiros. O ala "Coida" também esteve muito bem no jogo. A sua velocidade e jogadas em direção ao ataque, está fazendo a torcida esquecer a falta do atacante Bruno.

Vade retro, Satã !!!

Agora, uma coisa deve ficar clara: O mérito foi dos jogadores e da comissão técnica. Isso é importante frisar por que uma das figuras de quem eu citei no post anterior, já andou comentando que teria passado umas dicas de como jogava o Rio Branco e que isso teria sido fundamental na armação do time pelo técnico.

Tem gente que quer aparecer de qualquer jeito. Essa figura entende mesmo é de puxar o saco e falar mal de todo mundo. De futebol, apesar de viver se escalando, não sabe de nada. Deixa o pessoal trabalhar em paz, senhor Tribufu, o Náuas não precisa de você. 
                                                                     
                                                              E se nós tivéssemos prefeito ....

E espero  que no próximos anos esses jogos já possam ser realizados em Cruzeiro do Sul. Os jogos em Mâncio Lima, exclui os torcedores de baixa renda que não possuem condução própria e o mais grave, afasta as famílias do estádio devido ao receio da viagem, principalmente no retorno, quando alguns condutores mal educados não sabem acionar o farol baixo do veículo..

Se nós tivéssemos um prefeito sensível a isso, este ano já era para ter jogo do Náuas no Cruzeirão. Pior para o time do Juruá, que está deixando de arrecadar no mínimo três vezes mais com venda de ingresso.Por outro lado uma vez que as crianças _ potenciais futuros torcedores _ não estão indo aos jogos, como poderá o Náuas pensar em um projeto de longo prazo ?

Enquanto as prefeituras de Xapuri e Brasíléia, brigam para ter o Jogo do Alto Acre em suas cidades, a prefeitura de Cruzeiro do Sul tem coisas mais " importantes para fazer " como por exemplo ficar brigando com os  pequenos comerciantes do mercado, moto-táxi, taxistas, vendedores ambulantes....
  

domingo, 21 de março de 2010

Evas Daninhas na horta do Cacique

O Náuas realiza hoje a sua segunda partida pelo campeonato Acreano de Futebol Profissional de 2010.  Será a segunda partida no Totão, em Mâncio Lima. Não tenho premonição aflorada, não sou pai-de-santo ou qualquer coisa que o valha. Afirmo, porém , baseado simplesmente na minha intolerância às coisas nefastas, que o Náuas tem tudo e de tudo para sofrer nova derrota.

Essa minha afirmação nada tem a ver com a qualidade do time e da comissão técnica .Primeiro porque não assisti , este ano, a um jogo do Náuas e segundo porque alguns amigos meus que são metidos a conhecedor do futebol , fizeram muito elogios à pessoa do treinador do Náuas. Currículo ele tem.

O que me preocupa, porém é o histórico dos jogos contra o Rio Branco e principalmente o histórico dos jogos realizados no Totão. O Náuas nunca fez uma partida primorosa em Mâncio Lima, diferente do que já fez jogando no Arena da Floresta.

O pior mesmo é perceber que algumas figuras indesejadas  estão infiltrando-se na diretoria do clube. Isto não é bom, não mesmo.O presidente, a quem não conheço pessoalmente,mas que me parece boa gente, deve tomar muito cuidado. Essas pessoas são como serpentes.Já presenciei inclusive alguns deles falando mal do elenco e do presidente.

Esses ,são capazes de destilar suas peçonhas entre o grupo. Estão pouco interessado no time, na torcida ou qualquer coisa do bem.São como gafanhotos na lavoura. Cuidado treinador, senão daqui uns dias estarão escalando o time no seu lugar, porque eles acham que sabem de tudo.

Assim, espero que hoje ,dentro de campo, o Náuas seja maior que tudo isso. Afinal o Náuas não pertence ao seu presidente, ao seu treinador, à prefeitura, ao governo e muito menos a esse grupinho infiltrado. Ele pertence à fiel torcida do Vale do Juruá, região que representa. Então por favor, Cacique , cale minha desconfiança e quebre esse tabu. E viva o Náuas !!  E ,  fora semeadores da discórdia !!!


  
Ocorreu um erro neste gadget

Arquivo do blog