sábado, 12 de fevereiro de 2011

MANUEL PIAU ** OBLITERA BIG BOLINHA DE GUDE

 Fonte da imagem: Internet



Prezado JJ,

Diante de tantas estultices espalhadas por aí sobre o pitórictico deslance do nosso bravo cavaleiro da humildade,  elegância e pai da salvação dos coitados acreanóides, venho, apesar de está ainda no Egito,  através desta,  já que não poderia ser através de qualquer outra, explicar o que na verdade aconteceu para que não fique o falado pelo dito esquisito.


Aproveito a fraca audiência do seu blog, do qual sou sócio proprietário, para escrevinhar esses palavreados. Imagine se eu teria coragem de fazer tão obscura defesagem em local de fácil acesso. Aqui fica só entre nós, morninho que nem cloaca de galinha. O grande público jamais entenderia. Sou do mesmo planeta de Zadig, mas não sou louco.  Astuto ?  Talvez.


Ora senhor Jurubeba, não há nada de se espantar na conduta no nosso Pete. Explanado-a foi em cada parte do  jingle de campanha, que grudou que nem mulher sem sal.  Estava claro como nádegas de albinês. Faltou aos montes, interpretação. Aí nós não temos culpa da acefalia desse pessoal sem dó.

Por exemplo quando se  dizia " Quando Pete ganhar, quem ganha é o povo " em nenhum momento  foi  dito quem era esse " povo " e muito menos foi prometido onde esse povo ia ganhar. Poderia ser na cabeça ? Poderia. Quem sabe até no final do intestino delgado ! Como podem então ficarem agora escandalizados ? Esse pessoal não sabe ler o que canta depois vêm com essas histórinhas sem final feliz.  Pergunte aos donos dos quiosques das praias de Fortaleza e Maceió se eles acharam ruim. Por acaso eles também não são " povo " ?


Veja bem JJ. Tem gente que anda criticando ou criticando sem andar que o Pete foi gastar míseros 33 mil reais na praias do nordeste . Qual é ? Queriam que gastasse onde ? Na beirada  do rio Purus a caminho de Santa Rosa ? Não é época de campanha eleitoral . Além disso, nos rios amazônicos tem sol, mas falta cerveja e lagosta. O camarão é mixuruca e sobram piuns e meruins. Também tem muito menino "pidão"  de barriga maior que os olhos. Fosse dividir esse ninharia com eles perderia o perfeito bronzeado. Beijos e abraços para esse povo só daqui a 2, 4 ou quem sabe 8 anos. Se férias é férias,  imagine quando se tem um trabalho pesado como esse do nosso  cansado herói.


Praia do Futuro. O que lembra futuro ? Lembra tempo. E tempo lembra o quê ? Lembra passado. O que lembra passado ? O passado do Acre, desbravado por heróicos nordestinos. E esses nordestinos quem eram em sua maioria ? Cearenses ! Onde Pete foi gastar suas verbas indenizatórias ? No Ceará ! Isto se chama ação afirmativa, leiam no wilkpédia. É um resgate. Um forma de devolver aos cearenses o que seus antepassados fizeram por esta terra de Galvez. O politicamente correto não está na moda ?  Daí,  talvez venha o despeito com o Sassá Mutema da Seis de Agosto. Falta a esse povo a capacidade de inferir.


E lembrem-se: é 333. Agora que foram 33,  ainda faltam 300. Espero que essa brava gente acreanosa continuem a votar com amor. Enquanto isso deixem o Pete usar a cabeçinha, não há nada de ilegal nisso, afinal,  entre vocês Terrenáquios, o custo é só passar a cabeça. O resto é o paraíso. Foi o que eu aprendi lendo suas volumosas enciclopédias.

Um Octágonal abraço,


Manuel Leporinus fasciatus Paca Concha de Andrade. Para os ignorantes Manuel Piau **,   porque Piau é o c....... !

________________________________________  
Manuel Piau ** é um alienígena alienado que foi ao Egito convencer Hosni Mubarack a largar o poder de lá e vir ao Brasil  ser a próxima múmia a assumir  a presidência do senado federal, ocupando o lugar de Sarney daqui a 300 anos.  A primeira a parte da tarefa ele já conseguiu...

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Há 15 anos às 15 horas...




memórias




"[ ... ] Memories back when she was bold and strong and waiting for the world to come along...Swears she knew it, now she swears he's gone [ ... ]. Pearl Jam.  " Better Man " _ Vitalogy  ( 1993 )


Há 15 anos, um moleque magrelo, recém emancipado pelo código civil, de cabelos longos, trajando uma calça jeans surrada e uma camiseta preta com a imagem e o nome da Pearl Jam, sua banda de rock preferida, desembarcou no aeroporto de Cruzeiro do Sul. Não trazia ainda consigo a marca do tempo estampada no rosto e nem o estrago de noites passadas. Era o dia 09 de fevereiro às 15 horas.


Veio trazido de Rio Branco, pelo vôo da agora extinta Varig. Por necessidade de cumprir ordens da empresa pública federal na qual era ainda funcionário novato, passaria os próximos  06 meses longe da família, dos amigos e dos estudos. Não sabia se procurava aventura, fugir do zêlo chato dos pais, ou uma simples loucura de fazer o caminho inverso da lógica de quem quer vencer na sociedade nacional capitalista. Largara uma faculdade pública no último período rumo ao desconhecido.


"  Irás para o meio do mato , a se entediar com uma uníca rua, sem nada , na qual a cidade toda  está inclusa ? Tens certeza que é isso que quer para o seu futuro ?  Perguntou-lhe um amigo na véspera do embarque.   " Dane-se o futuro, vou a trabalho. Se não gostar eu volto. Não vou a uma prisão. Se tudo que tenho aqui não me prende, imagine lá , onde não tenho nada e nem conheço ninguém. "


A partir daquele dia 09 de fevereiro, viu que em Cruzeiro do Sul, não havia só uma rua, pelo contrário a cidade tinha um urbanismo surpreendente , a considerar o isolamento cruel por quase um século. Aprendeu que a história heróica do estado não pode se  resumir apenas  à revolução liderada por Plácido de Castro na região do rio Acre. Comprovou que o Acre tem igarapés de água preta e rios de várzea, sem barrancas, com margens cobertas por finíssima areia branca. Comprovou da pior forma possível que existe um troço, pequeno, quase imperceptível aos olhos, chamado de " Joaninha ", que não perdoa o contato físico com os humanos. O primeiro encontro é inesquecível.


Hoje dia 09 de fevereiro de 2011, aquele moleque do espelho já não existe mais. Sua magreza, fora engolida pelo descaso à parte do físico, o rosto está marcado pelas noites que vieram e já não tem a Pearl Jam como a voz da consciência. Nem banda ou música favorita ele tem mais. Ainda alguns cabelos, impossíveis  de serem longos.


Agora após quinze anos, o futuro ainda não veio. Não tem mais o mesmo emprego, mas continua com a sensação de que ainda não é nada e nem tem tudo. Só sobreviveu o espírito do inconformismo. Entretanto, sobreviveu ao ideal do maldizer-se e de pôr a culpa no destino. Conheceu muita gente que nasceu aqui  e não ama a terra. Gente boa que aqui não nasceu e fez do local o seu oásis de paz  e perseverança e também rara gente que não merecia nem nascer, tampouco pisar na terra alheia.


Leu recentemente um imbecil odioso jactar " que os de fora são uns aproveitadores que vêm aqui escapar  ". O comentário mais rídiculo e preconceituoso que já viu na vida.  Ninguém vem escapar em Cruzeiro do Sul.  Aqui não é o paraíso. Quem vem compartilha as vitórias e as derrotas, os avanços e os atrasos. Aqui não é  o paraíso. Só um recanto em busca dele. Duvida-se que exista paraíso no Brasil.  Em absoluto, o menino  não veio aqui escapar, veio em busca da liberdade  e ficou preso aos imponderáveis da Terra das Ladeiras.


O que é ser cruzeirense ?  O que faz alguém ser  cruzeirense ?  O nascer  aqui é só um detalhe. Ser de fato é pagar valores monetários exorbitantes para se ter o básico da vida. É está ilhado por via terrestre na maior parte do ano. É ter poucas ou quase nenhuma opção cultural e de lazer. É sofrer com falta de oportunidades. É achar, sonhar,  que tudo de uma hora para outra vai mudar para melhor e por isso não vai embora em busca de realizações, como dezenas de centenas ou mesmo milhares de  outros fizeram. É sentir que não fez ainda o que poderia ter feito. O resto é só retórica ou recordações.


Estoicamente, percebeu nas primeiras horas de hoje que em nada contribuiu para ser um cidadão cruzeirense. Ganhou mais do que recebeu. Se fosse morar amanhã em outra localidade não faria a menor falta à cidade. Bendita seja a madrugada. Ela é reveladora. Só ela faz uma música comum, sonora de um rádio ou aparelho qualquer na casa  de um vizinho indefinido, causar nostalgia. A calma da madrugada nos torna mais humanos e também mais livres. Não encontrou a cidade dos seus sonhos, encontrou a si . Entendeu por que Lennon disse que nenhum lugar faz de ninguém uma pessoa melhor. Isso não é conformismo. Se é para ir à algum lugar que seja para frente. 


Hoje ele é um adolescente cruzeirense e é livre para amar essa terra. E o que restou do passado daquele distante 09 de fevereiro há 15 anos às 15 horas ?  Nada, a não ser a lembrança do trecho da música do Pearl Jam, assobiada, quando pôs os pés juvenis na brava Terra dos Nauás:


"    [ ...] She lies and says she's in love with him, can't find a better man
             She dreams in color, she dreams in red, can't find a better man [ ... ]  

 O anjo  que apareceu ao Drummond , deu o ar de sua graça e estava mais torto ainda:
" _ Vai Jairo ! Ser gauche na vida, nem que seja em Cruzeiro do Sul ".  Mais uma noite a deixar marcas em seu rosto.

domingo, 6 de fevereiro de 2011

Corinthians, sem imagens, apenas letras.

Não faço do futebol minha paixão de vida, mas estou longe de ter vergonha de dizer que sim, eu gosto de futebol e sou torcedor. Perco sim, noventa minutos da minha vida vendo uma partida. Acreditem,  tem gente que usa esse tempo fazendo coisas piores para a humanidade, como por exemplo, compondo uma "música de qualidade duvidosa" para ser o hit do próximo carnaval. Prefiro o futebol às muitas outras coisas também sem sentido na vida. É menos prejudicial.

Assitindo àquela cena lamentável  de torcedores _ na verdade bandidos _ apedrejando o ônibus do Corinthians, como um verdadeiro corinthiano cheguei a conclusão de que a taça Libertadores das Américas é que não nos merece e não o contrário como incita a mídia e como acreditam aqueles marginais travestidos de torcidas organizadas.

Ouço muitos colegas e amigos reclamarem que este e aquele canal de televisão " só falam do Corinthians ". Como não perco meu tempo assistindo a essas porcarias pós jogos, afinal o que interessa já terminou,  não sei do que eles tanto reclamam. O que eles não sabem é que diferente de qualquer time de futebol deste planeta, o Timão, não precisa de títulos e nem de mídia para ser grande. Só entende isso quem é Corinthiano.   Não tem jeito.

Nenhuma outra agremiação esportiva na Terra passou 22 anos sem conseguir ganhar um mísero campeonato qualquer e a sua torcida só cresceu, dobrou. Como explicar esse fênomeno ? Não sou daquela época, mas me tornei corinthiano, sem nunca ter assistido a um jogo na TV ou ouvido a narração deste pelo rádio. Durante muito tempo aqui no Acre só teve a Globo como televisão e a Rádio Nacional como unica  a transmitir narração do chamado Esporte Bretão. Então, praticamente,  para os acreanos só existia o futebol carioca.

Mas em qual outro time existiu um movimento chamado  de " democracia " em pleno regime militar ? Qual outro time tinha uma torcida, que mesmo perdendo uma final de campeonato, conseguia abafar o grito de " é campeão " da torcida rival com o grito de " Corinthians eu te amo " nos estádios ?  Como não se apaixonar por aquela torcida ? Como eu soube disso ?  Lendo atrasadas notícias e livros de memórias. Definitivamente, aprendi naquele momento que o título era o que menos interessava. Nascia mais um corinthiano, sem precisar de televisão e nem rádio, e seus  programas cheios _  também _ de interesses comerciais.

Fosse hoje, jamais eu me tornaria um torcedor, vendo aquelas imagens  de canalhas cometendo crimes e sendo covardemente chamados pela mídia de " torcedores corinthianos ". De forma covarde, sim, pois as manchetes honestas seriam do tipo " Facínoras cometem tentativa de homicidio contra profissionais ". Qual o receio ? Ou melhor : Qual o objetivo dessa mídia que pega leve com esses bandidos que afugentam os verdadeiros torcedores dos estádios ?

O que esses bandidos não sabem e a mídia não conta, é que o Corinthians passou, repito, 22 anos sem ganhar nada, e nem por isso ninguém agredia jogadores ou morreu de desgosto. Para o verdadeiro corinthiano, que agora está preso em casa, a tal Libertadores não é nada,  muito menos é  "obsessão " como prega os meios de comunicação. Essa obsessão só existe na mente doentia das pragas sociais e foi criada pela média para vender mais. Talvez  por isso  ela não queira chamá-los _ os seus consumidores, seja de produtos ,seja das ideologias _ de marginais.

O time perdeu um campeonato insignificante diante de sua centenária história de glórias e decepções,com gols decisivos nos últimos minutos da partida. No dia seguinte não houve ou haverá mudanças sociais, financeiras e políticas na vida do povo brasileiro, seja corinthiano ou não. Não existe,  portanto,  motivos para que  a turma saia às ruas depredando tudo.

Na vida real, temos um país socialmente desigual, com corrupção às claras que ficam impunes, com um código de leis indecentes e ineficientes contra a bandidagem em todos os níveis.E essa mesma  turma não vai às ruas protestar contra tudo isso.Vai  aos bares beber, cair, levantar.Vai aos becos usar drogas e planejar novos atentados contra a vida e simplesmente serem taxados como torcedores. Eles estão, certamente, no país dos sonhos maus.

A grande imprensa só faz mal ao Corinthians, não precisamos dela. Nunca precisamos de títulos para sermos torcedores e muito menos precisamos ser violentos para protestar.O nosso lugar sempre foi nas arquibancadas , na frente da TV ou caminhando com o radinho encostado na orelha.Durante os noventa minutos e seus pequenos acréscimos somos corinthianos. Depois disso, somos apenas mais uns brasileiros, com todas possíveis mazelas ao nosso redor e dentro de nós mesmos.

Somos fortes na derrota e só somos diferente de qualquer outra torcida, não piores como quer mostrar a mídia. Querem nos igualar ao bandidos. Não precisamos da tal Libertadores,  já somos libertos. Deixamos ela de lambuja para a Globo e sua patota. Hoje tem um novo jogo e amanhã já é segunda feira,  querendo eles ou não.
Ocorreu um erro neste gadget

Arquivo do blog