sexta-feira, 23 de agosto de 2013

GRANDE DIFERENÇA HÁ ENTRE SER O MELHOR E ESTÁ ENTRE OS MENOS RUINS

Interrompo a inatividade do blog para escrever sobre aquilo que menos gosto de falar sobre:  a política.

Sem tempo para o blog, tenho dado meus pitacos pela rede social facebook em curtíssimas notinhas. Não confundir 'curtíssimas' com 'curtidas'. Lá, tal qual aqui,  sou um mero desconhecido. Para minha sorte, misantropo em exercício.

O assunto do momento na rede em Cruzeiro do Sul é a cassação do mandato do atual prefeito Vagner Sales por crime de peculato, cometido, segundo a justiça, ainda quando era deputado estadual.

Como não poderia deixar de ser, feliz ficou a oposição, muito descontente a situação, muito tristes os imbecis, pouco se lixando os sapientes, com dó da formiguinha aqueles que não sabem o que querem... Fora isso, eu, ignara.

Mas ainda assim resolvi combater a insanidade daqueles que ousaram classificar Sales como "o melhor prefeito de todos os tempos".

Classifiquei sua administração como medíocre. Sem dó, nem ódio, nem medo, com risos.

Oras, disse 'medíocre', não 'ruim', não 'péssimo', mas muito longe de 'bom', a milhas de 'ótimo. Medíocre é 'mediano'.

Por conta de uma TV local ter feito uma matéria sobre assunto em voga e ter citado opinião de populares e internautas nem tão populares, a minha,  expressa no facebook, foi lançada ao ar.

Deixei por alguns segundos de ser invisível.  

Tenho amigos, fãs incondicionais do jeito 'vagneriano' de fazer política. Alguns destes acham que peguei 'pesado' ao classificar o prefeito como medíocre.

Não classifiquei a pessoa do prefeito como medíocre, não apontei o dedo em sua cara, não desfiei impropérios contra a sua pessoa ou família. E não me santifiquei ou me declarei superior a ninguém.

Falei estritamente da sua administração.

Disse que 'nós', e não 'eles' ou 'vocês', nos conformamos com a mediocridade de quem como representante de uma comunidade tem a obrigação de ser excelente, excepcionalmente bom, para que possamos classificar como 'o melhor'.

Eu posso ser medíocre, o prefeito, o governador, o presidente, não. A comunidade não me escolheu com a promessa de resolver situações. Simples assim.

No que a administração Vagner Sales foi excepcional ? 

Nunca um prefeito de Cruzeiro do Sul teve tanto apoio político de seu grupo em termos de liberação de verbas federais. É a terra das Ladeiras a meca das oposições estaduais. 

Vagner foi no máximo 50 % competente na sua missão. Ou seja,  foi politiqueiro ao extremo para conseguir as verbas necessárias para alavancar sua administração, o que exige um alto conhecimento do lado oculto da política. A isto os políticos costumam usarem o eufemismo de 'caminho dos gabinetes em Brasilia'. Desnecessário explicar aqui, não é mesmo ? 

Pois bem. Por outro lado, fracassou no mínimo em 50 % de sua missão como um prefeito que deveria fugir da mediocridade  _ não  conseguiu ser um administrador arrojado, visionário, comprometido com a felicidade que é não ter medo de ser feliz.

Não deu um novo rumo a política, como por exemplo, ter a coragem de ser o primeiro prefeito a resolver as questões de saneamento básico, estas que não lhe rende dividendo político, diga-se voto, mas que trás saúde ao povo mais humilde, o grosso de seu eleitorado. Saúde trás felicidade, felicidade trás dinheiro e dinheiro, bem dinheiro, trás  liberdade dos favores...

A contribuição de sua administração para isto, até aqui,  foi zero.  

Preferiu gastar rios de dinheiro com postos de saúde que em pouco tempo se tornarão obsoletos, um fardo para as administrações municipais vindouras. Um coisa é construir, outra é manter ao longo do tempo.

Oras. Postos não significam prevenção, ideia central da saúde básica. Saúde básica não rende votos. Mas encher a boca com números de postos construídos, sim. Políticos adoram números para passar nas ventas dos desafetos.

Pergunto : Isto é ser " o melhor de todos os tempos " ?  

Onde está a tal excepcionalidade ? 

Cadê aplicabilidade do Plano Diretor _ se é que pelos menos exista um ?  

Um prefeito que sequer conseguiu devolver algumas ruas, grosseiramente obstruídas por construções particulares ou públicas, ao povo, é o melhor de todos os tempos ?

No máximo, está entre os menos ruins...médio, medíocre, portanto.

  

sábado, 15 de junho de 2013

ESCROQUE

Pela face oculta e o secreto coração deles:
Às vezes a vilania é tão grande, a venalidade é tão expressa, que os movimentos corpóreos não conseguem disfarçar ao mínimo olhar atento, que a última ratio de decência da alma _ a despeito do imenso poder investido _ na luta faz forçar os ombros que ficam arqueados, curvos e a voz sai quase inaudível.

E aquele que deveria está acima do bem e do mal desperta e desce de sua privilegiada posição. Mas não vem para calçar as sandálias da humildade. Desce para desequilibrar e invariavelmente a favor de quem a vida já dá motivo para sorrir.

Feliz daquele  de quem tem um amigo que só a pujança econômica permite angariar , é o meu mais novo brocado (sem tradução para o latim )...  

Azar dos quixotescos carregando um bolo na garganta causada por um misto de indignação e vergonha alheia _ é muita desfaçatez ! _ diante de tamanha nulidade já que não podem gritar porque o momento não é permitido. E haja azia depois que o bolo descer para ser digerido por dias, meses, anos e o resto da vida.

Um roteiro de ignomínias e intrigas esperando filmagens.

Em algumas pessoas falta o coração, em mim o estômago.

_ Anda homem, aprende que na selva da vida real quem dorme é o mais forte da teia !




quinta-feira, 23 de maio de 2013

URUBU QUE CANTA SÓ


E hoje, aos vintes e oito dia do mês de Jó Joaquim, maio, de dois e mil e treze anos da era ocidental, pela manhã de um recém chegado verão amazônico de límpido céu azul, eu o vi :

_ Num solitário poste da Leopoldo de Bulhões, nascida avenida, mas tornada estreita rua suja  _ êh, cidade sem jeito ! _ um urubu  cantando só. 

Não é raro por aqui ver um urubu, deveras. Mas assim tão só e cantando ? Ah, vai...queria eu está  feliz pelo Senhor ter me concedido um dia tão límpido de verdadeiro azul quase anil de notícia alvissareira ! 

Queria ser um bárbaro e afogar as mágoas.

Queria devolver as 'gentilezas' do urubu que agora canta só.

Mas olho para ele agora solitário e o que eu sinto se não é somente dó ?

E que não vale  pena chutar cachorro morto, balear um urubu estropiado, leão velho desdentado, quati sem rabo e já pelado.

Porque para não ser, que ele, pior, temos a obrigação de ser melhor.

Não irei ao rio judiar do Judas, fazer troças com balsa e fogos.

A indiferença à tua tardia derrota é a melhor resposta,

Urubu, que já foi rei, mas que agora canta só.

sexta-feira, 17 de maio de 2013

VENHA A NÓS, ALIENISTA !

Hoje, completa uma semana da tal Operação G7 da Polícia Federal que pôs na cadeia secretários de estado e empresários acusados de vários crimes contra a administração pública no Acre.

A conclusão a qual cheguei até o momento é que a política ( corrigindo: politicagem) do Acre virou um sanatório geral diante do exagero de ambos lados da contenda.


Os apoiadores incondicionais do governo ficam querendo jogar a responsabilidade dos atos de alguns dos membros governamentais para os homenzinhos verdes que vieram de Marte, ao invés de engrossarem a veia do pescoço e cobrarem punição aos possíveis culpados em nome da decência no trato da res pública.


Já alguns elementos da oposição, sedentos de sangue alheio, apressados ao extremo, querem criar uma imagem de um Acre irreal no qual ninguém tem o direito de se expressar, que o povo acreano vive com medo, acovardado diante de um monstro opressor comedor de cérebro alheio, a face tenebrosa do Leviatã. Que os funcionários públicos, então, coitadinhos, vivem na eterna vigília do olho que tudo ver, de fazer inveja ao panóptico de Foucault...

E o que mais interessa não se discute: Por que somos e estamos assim ? Teria razão o empirismo republicano pós ditadura de Roberto Jefferson de que nem a madre superiora do convento das carmelitas descalça resistiria ao encanto do poder caso eleita pelo atual sistema político ? 

Que mal é este que se irradia de norte ao sul, leste-oeste, horizontal e vertical na disposição dos poderes constituídos ?

E muita gente de boa índole embarcando nesta guerra sem honra do poder pelo poder !

Penso que chegasse por aqui, agora, o Dr. Simão Bacamarte, o alienista, daquele conto de Machado de Assis, encontraria uma terra fértil para, enfim, provar suas teses sobre a loucura e lotar novamente seu manicômio, bem maior e mais vistoso, do que aquele que construiu na sua amada Itaguaí...

terça-feira, 14 de maio de 2013

DESTA FEITA SEM...

Republico o texto que tive a esparrela de escrever na rede social facebook. Tá aí a explicação da não atualização do velho blog de guerra. As futricas nas redes sociais são mais viciantes.

Devido ao meu pensamento torto como anzol, muitos dos meus 'amigos virtuais' me excluíram da lista de amizade só de ontem para hoje. Neste ritmo ficarei sem amizade até o fim do mês. A lição que ainda não aprendi ? É que o facebook não é lugar para se escrever mais do que 03 linhas. Ei-lo:


E SE....

O mais sábio entre os sábios que um dia já habitou este plano terreno, vivesse por estes tempos em determinada república localizada no hemisfério sul, com mania de democracia à toa e a ele fosse arrastado um pecador, um político com mandato, veemente achincalhado por seus opositores de ocasião que o acusam de crime de corrupção, ainda que não transitado em julgado pela lei de seus pares, mas já previamente condenado pela parte da imprensa sedenta pelo encanto da imparcialidade _ a outra parte onde estaria, se até as pedras não querem calar-se ? 

_ Veja mestre, este homem (poderia ser uma mulher ou um trans-não-sei-o quê) é um corrupto, um traidor da confiança nele depositada por seu povo. São homens como este os responsáveis pela falta de educação de qualidade, de uma saúde digna, de uma segurança decente...da morte de milhares de crianças por inanição e pelo país não ganhar a copa das confederações jogando em casa... o que devemos fazer com ele ? questionaria um dos líderes da multidão formada por meia dúzia de elementos justos, interessados em assumirem a possível vacância do cargo em questão pelo singelo desejo de ajudar ao próximo.

Ao que responderia, mansamente, o calvo mestre:

- Aquele entre vós que nunca bebeu e jamais beberá da mesma água deste homem ( poderia ser uma mulher ou um trans-não-sei-o quê) que atire a primeira pedra pelo facebook...

Resultado ? 

O homem morreria apedrejado, afinal os hipócritas de hoje são menos confiáveis do que aqueles de há dois milênios...

Mas e quem atiraria a primeira pedra ? Oras, um desses assessores políticos que por um segundo esqueceria que seu chefe também é um corrupto ( não esquecerá quando for demitido ou o chefe mudar de partido ).

E quanto ao sábio ?

Sofreria uma devassa na privacidade, só por descarrego de consciência, diante de sua complacência inexplicável e sua certeza de desconfiar que aqueles moralistas trazem no íntimo sérias possibilidades de ser condenados pelo mesmo pecado que por hora repugnam...

E há quem acredite que a história humana não seja cíclica.

sábado, 6 de abril de 2013

A ÚLTIMA DAS CASTANHOLAS CRUZEIRENSES.


No bucólico, personalíssimo e tradicional, bairro da Baixa (outrora Baixa da Égua) resta o último dos pés de   castanholas urbanos. Ele fica na Joaquim Távora, antes da subida do Morro dos Quibes.

Em uma postagem anterior prometi fazer uma ode ao sujeito árvore, a última da espécie urbanizada em Cruzeiro do Sul que ainda persiste em doar sombra aos transeuntes e a alguns moradores do bairro que vez ou outra vejo sentados num banco de madeira fixo na calçada, jogando conversa fora e bebericando uns aperitivos.

Desisti do sacrilégio quando soube que foi embaixo de um pé de castanhola( ou amendoeira ) que Drummond conseguiu inspirar-se para compor uma parte dos seus modernos poemas e textos. Vá que exista um deus da poesia que se zangue das minhas labruscas linhas...melhor não arriscar.

O que essa espécime de árvore tem de especial ? Para virar notícia eu diria, nada ! Veja se algum chefe de reportagem vá mandar se gastar tempo em se fazer uma matéria sobre o último pé de castanhola democrática da cidade ? Seria loucura pura !

Só mesmo um blogueiro lol da minha estirpe para perder tempo com isso, oras ! É que me passa que essa árvore ( não especificamente esta, mas as suas já extintas irmãs mais velhas) já foi muito importante na outrora urbanização da cidade. E serviu até de referência:
_ Fica onde ? 
_ Lá nas castanholas.
_ O Posto de Saúde da Castanhola.
_ O Mercadinho da Castanhola.
_ Depois do segundo pé de castanhola, contando daqui pra lá.
_ Foi encontrado morto embaixo do pé de castanhola, na entrada do bairro da  Lagoa.
_ Me espera aqui na castanhola, mas não olha para cima que mijo de cigarra cega. 

Deveras também que a castanhola não é nativa da região. É como todo o povo daqui, forasteira. Veio de longe, aqui fincou raiz, cresceu, reproduziu e como uma grande parte dos socialmente invisíveis, desapareceram as mais antigas sem deixar rastros. Marcas ? Talvez.

Então, à última das castanholas urbanizadora, ali tão humilde, escondidinha, quase invisível, o meu apreço, o que não é assim lá grande coisa neste espaço tão raro de visitas.

Quem sabe um dia um poeta não sente naquele banquinho de praça, próxima a tua pequena sombra e dane a escrever de verdade sobre a tua história, teus sonhos, ilusões e agora tua solidão em uma cidade que cresce, enquanto que sua gente, não.

Quem sabe não te tornes centenária, teu caule tão grosso, como tua resistência, guarde na casca túmida várias marcas de encontros de quem já chegou e de quem, como este blogueiro lol que de ti fala, já partiu.


quinta-feira, 4 de abril de 2013

ENTRE O ANACRÔNICO E O ANACOLUTO

Uma vez me perguntaram se eu seguia uma linha mais de direita ou de esquerda. Minha resposta foi que não seguia nada e nem ninguém, mas tinha ( e ainda tenho ! ) fascinação pela tolerância.

Então onde ela se encontrar é  lá que costumo me sentir à vontade, pois a tolerância não tem cor e nem bandeira,  não é sectária, nem é preciso ser defendida "com fervor juvenil"

E o socialismo ? Continuou a sabatina.

Só o utópico, respondi. Nunca acreditei em um socialismo aplicado pelo Estado, a não ser que não fosse formado por pessoas e sim máquinas a espera de um comando. O meu socialismo sempre foi o de espírito e não essa coisa reduzida ao materialismo, ao econômico, ao ideológico, ao programático. Ditadura nenhuma pode ser  justificada por  mais nobres que possam parecer seus fins.

A única revolução possível de ser aceita é aquela que vem de dentro, no individual, na solidão do "eu". E é uma revolução brotada da experiência de vida e não imposta pela educação oficial ou religiosa ( o medo de ir para o inferno por não fazer o que é decente). É uma revolução surda e sem objetivos concretos, interiormente dolorida, limada pelo tempo.

Quando  ocorrer, pelo menos na maioria, a certeza da bonança interior que é dividir os conhecimentos, esta a riqueza que liberta ( _ não de bens materiais,  uma perda para quem doa, um ultraje para quem recebe, se este que recebe quiser ser livre, viver de sua dignidade _) de forma ampla e irrestrita a todos que tenham boa vontade, estará ocorrendo o socialismo de fato.

" Estará ocorrendo" porque jamais poderá ocorrer, finalizar, terminar. Se assim não for, voltamos à estaca zero, já que não podermos jamais eliminar as diferenças inerente à raça humana. Em tudo que não haja respeito aos contraditórios, há a ditadura, seja de esquerda, direita, da maioria ou minoria, da maioria de uma minoria, do patrão, do trabalhador.

A liberdade está na natural desigualdade sempre mutável. O que  é simétrico por completo é artificial, imposto ou velado.

Rotulado

Mudando (um pouco) de assunto ou by the way

Já há alguns meses na faculdade, em um rompante,  ousei dizer que tinha lido em livro qualquer que ainda não ocorreu o fenômeno do socialismo em pais algum, o que houve mesmo foi a implantação do 'capitalismo de estado', no qual o estado se apoderou de todos os meios de produção para se tornar o único e legitimado capitalista, a pagar baixíssimo salário aos trabalhadores. O que é pior: sem direito à greve.

Como não lembrei-me do nome do autor ( meu eterno mal de achar que os conceitos são mais importantes que os nomes), o professor desconsiderou a ideia e tachou-me de 'panfletário'.

Muitos colegas acharam uma ofensa e de fato o cara quis me desancar.

Mas cheguei a conclusão que foi, inconscientemente, um elogio : eis aí um que ousa pensar por si mesmo, livre das amarras dos conceitos prontos e aceitos pela academia por isso vou rotular _ panfletário ! _ e assim destruo sua perigosa impertinência.

Se isto significar liberdade, serei um eterno panfletário, nem de esquerda, nem de direita, nem da maioria, nem da minoria, nem da maioria de uma minoria, mas somente a serviço do que EU acredito, mesmo correndo o risco - estou disposto a isso - de ser considerado um ignorante que não traz à ponta da língua o nome do autor da ideia, se é que ela (ideia) e/ou ele(o autor) existam; ou não ter lido aquilo que programaticamente me indicaram para ler.

Hoje vivemos (na verdade, recrudescemos com)  a estranha _ e perigosa _ mania de sair rotulando, encaixando as pessoas em classes, com seus direitos personalíssimos : negros, gays, índios, trabalhador, contribuintes, mulher, doador de sangue, portador de, estudante, cadeirante, empregada doméstica, funcionário público...e parece que esquecemos que somos apenas isto: humanos. Sou eu, para alguns um panfletário sem classe !

Penso até que se por aqui imitássemos (também nisso) os americanos e fosse organizado um álbum de recordação de formatura da turma, abaixo da minha imagem estaria, jocosamente, o epíteto  em cor chamativa : " panfletário ! " ou, maldosamente, "completo anacrônico, sujeito anacoluto..".




sábado, 16 de março de 2013

CHORAR PARA QUE CHORAR ?




Ainda não me saiu da retina aquela cena exibida no telejornal local, já há algumas semanas.

Veio-me agora a vontade de escrever sobre depois que cumpri a obrigação acadêmica de resumir um texto de psicologia que falava da relação entre a delinquência e a privação emocional na infância e adolescência.

Mas não quero falar  aqui de psicologia, essa coisa enfadonha e sem certezas, dado, entre outras coisas, minha ignara sobre tal. É só uma parte curricular obrigatória e rasa. Portanto, voltemos à imagem.

Ela não falava do carnaval, nem de São João, de um balão no céu e nem luar do meu sertão, como dizia aquela versão em português da canção do Stevie Wonder.

Foi apenas um flagra dos jogadores do Náuas, chorando dentro do vestiário do estádio Arena da Floresta depois da goleada histórica sofrida diante do Rio Branco pelo placar de 7 x 1.

O grupo perdera naquela semana ( na verdade há dois dias do jogo) um colega de 17 anos, tragado pelas águas do rio Juruá-Mirim. 

Decerto não ter sido este o motivo da derrota de elástico placar. Ela estava escrita nas estrelas. Era um jogo de um time amador, formado exclusivamente por jovens rapazes da região, contra um time profissional e experimentado, de jogadores de várias partes do país.

Mas quem um dia já participou de um time de futebol, mesmo que seja amador, de bairro, sabe o quanto mexe com o emocional a perca repentina de um companheiro, se de morte for.    

Não sei qual foi a intenção da diretoria do time ou do canal de comunicação em divulgar aquelas imagens.

Espero que não tenha sido para causar compadecimento em quem realmente pode ajudar financeiramente o time. Digo assim porque creio ser inútil esperar que algum 'empresário' cruzeirense possa se sensibilizar com o esforço  daquela rapaziada.

Essa galera que detém juros superior a 200 % tem mais com o que se preocupar em uma localidade de fim de linha onde não existe a velha ( no à fora mundo capitalista) concorrência comercial. Eles não precisam divulgar suas 'marcas', ligá-las à prática saudável do esporte.

Talvez naquelas chamadas para as festas noturnas regadas a muito álcool seja mais interessante...ou quem sabe ajudando a eleição de certos políticos ou ainda melhor doar arroz com gorgulhos para instituições que já têm sobre seus cuidados quem antes poderia ter sido cuidado.

À eles (homens de negócio)  não há a obrigação legal e nem moral, tampouco a necessidade imediata e real.

Voltemos aos moços.  

Enquanto eles choravam copiosamente naquele vestiário, eu cá pensava: Mas por quê ?

O futebol não é a coisa mais importante na vida das pessoas. Seria talvez no máximo a mais importante entre o que menos importa ou o que menos importa do que mais possa importar para vida.

Aqueles meninos deviam estar, como uma boa parte dos jovens daquela idade e daquela faixa social aqui da região, fazendo coisas mais interessantes e menos compromissadas como por exemplo se embriagar nas festas de fim de semana ou fumar aquela mela nossa do dia a dia, fortalecendo o já numeroso exército de jovens transgressores e impunes de nossa sociedade. ( Por favor estou sendo irônico !! )

Ou então do outro lado da telinha, como canalhas rindo da cena se propiciada por outrem.

O campeonato acreano de futebol, o que é isso ? é uma competição falida, sem time de expressão, fadados, se não todos, a maioria, à extinção profissional. Incluam neste rol os times de Rondônia, Amazonas, Amapá, Roraima....

No capitalismo, como como qualquer outra coisa, o esporte é simples mercadoria. Nas regiões mais pobres, essa mercadoria não tem atraente invólucro.

Por que então chorar por coisa tão sem importância, capitalisticamente falando ?

Aí é que passa pela minha cabeça, em um exercício de empatia, que talvez aquilo seja tudo o que eles tinham ali naquele instante, era o tudo em quase nada. Deixaram aflorar os sentimentos ?

Alguém me disse que se sentiu envergonhado " no lugar deles, já que aquilo não era papel de homens". Um comentário estúpido, mas ao menos sincero de quem tem vergonha de ser gente. Não merecia nem uma observação da minha parte. Ainda assim, fiz umas perguntas retóricas:

_ Qual foi a última vez que você chorou, mesmo que em silêncio, na penumbra do quarto ? Pelo menos eles têm pelo o que chorar...eu confesso que  já perdi esta capacidade faz tempo. E se fosse o Neymar chorando depois de desclassificação do Brasil (cena quase impossível no mundo profissional de hoje) em uma Copa do Mundo, seria assim tão vergonhoso ? 

A atual diretoria do time enveredou pela opção de investir em um projeto de revelação de jogadores, garimpados nas camadas sociais mais carentes da região.

Talvez não consigam craques da bola. A possibilidade disto é muito pequena.

Mas se cumprir a maior missão de todas que é revelar cidadãos que assumam a responsabilidade, que tenham a capacidade de chorar por  ter fracassado nos objetivos mais próximos, por mais insignificantes que possam parecer para uma maioria orgulhosa de não ter motivos para lutar ou nada para dizer, a batalha e aquelas lágrimas não terão sido em vão.

Como estamos precisando de gente assim nesta cidade, Estado e país, que acima de tudo lutem por eles mesmos ou por aquilo que acreditam por mais singelo que seja !!!

Melhor ver aquele choro por algo tão medíocre ( capitalisticamente falando) que é o campeonato acreano de futebol, do que ver lágrimas de pais por coisa mais sérias como a destruição da vida de centenas jovens pelo falta de algo tão simples e pouco valorizado por aqui que é o bom vício de correr atrás de uma bola, quando não se está em sala de aula.

Pelo menos, não será por causa daqueles jovens que choravam naquele vestiário que os empresários de Cruzeiro do Sul terão que investir em mais sistema de segurança para proteger suas valiosas propriedades.

Decerto não serão por aqueles que o governo terá que aumentar gastos na segurança pública ou na saúde de recuperação das sequelas físicas e emocionais de uma parcela populacional, agora e principalmente amanhã.

Isto já basta para que eles tenham o meu respeito e apreço. O que acontece dentro das quatro linhas do gramado pouco me importa Como seria bom que ao menos por aqui o futebol(ou qualquer esporte de massa) não dependesse do resultado dos jogos, que se valorizasse o lado lúdico da coisa e seu apelo social. O que viesse seria lucro !

Que aqueles jovens continuem canalizando sua delinquência ( que no sentido da teoria psicológica é o movimento, poder destrutivo inato do homem) somente para o esporte e que não percam nunca a capacidade de chorar, mesmo que para alguns salte quixotesco...


Ps: 
Conquanto, isto tudo é boba filosofia. Melhor mesmo é ir para carreata comemorar o título dos times paulistas ou cariocas, exibindo a última camisa do patrocinador nike, adidas...a despeito de para eles Cruzeiro do Sul sequer constar no mapa. Mais é que a mesma televisão  a qual nos deixou obtusos, também nos deixou muito orgulhosos de fazemos parte de algo em que não temos parte alguma. Nisto não há motivos para choro...    
   

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

O BAIRRO DA LAGOA NÃO NOS DEIXARÁ NUNCA ?


Domingo, à tarde, enquanto o mundo caminhava por seus sonhos, objetivos e desejos, eu parei por uns reles minutos para ver o Bairro da Lagoa, aqui de 'riba da ponte' como dizem no popular.

Aquela Veneza às avessas  ! O Da Lagoa entre um morro, um igarapé  e o rio é uma vergonha para a civilização nacional. É triste, não deveria mais existir, nunca deveria ter existido. Assim não !

Há quem ache charme nisto. Para mim é horrendo, é o que de mais tosco pode uma sociedade moderna produzir. Se fosse eu capacitado pelo dom da poesia jamais me inspiraria tal cena.

Preferia que ao invés de mergulhado dentro da escura água do igarapé São Salvador, aquele poluído e já agonizante, estivessem os humanos e seus bichanos de estimação à seco, num bairro com várias casinhas coloridas, com ruas bem esquadrinhadas com o branco e amarelo das sinalizações horizontais em contraste  com o negro da pavimentação.

E bem ali naquele local mesmo à entrada do centro da cidade. É o máximo onde minha tacanha ideia de conforto urbanizado consegue chegar. Me angustia a necessária assimetria da existência !

As crianças livres da vida severina amazônica em ter que dividir com insetos, aracnídeos e répteis ou outras espécimes de peçonhas, os seus lares e cotidianos. Longe deveriam está da água ameaçadora a lamber a madeira do assoalho. Pobres das crianças Da Lagoa !

Há quem, repito, veja poesia nisto. Duvide que aceitem trocar de lugar : as sua crianças no Lagoa !

Preferia eu que naquele domingo estivessem elas brincando em ruas arborizadas. De preferência à sombra das castanholas ( em outras regiões: chapéu de sol, sete copas, amendoeira de praia,...) que por aqui quase não mais se vê. 

Eis aí poetas cruzeirenses uma boa inspiração : O ultimo pé de castanhola de Cruzeiro do Sul, onde estará ele esse companheiro da urbanização de outrora ? 

Façam ou farei eu uma ode...para o desgosto da boa poesia desta terra. Depois não me acusem de ser um semialfabetizado, um pobre de filosofia a escrever sobre o que não entendo...    

Enquanto eu enxergava as castanholas e outras árvores a dá o tom de verde àquela meditação de míseros minutos que já produzira como efeito uma morna sensação de tarde e um compêndio de maus pensamentos sobre a nossa política, me passa por debaixo da ponte um desses pequenos barcos.

Ia carregado de pesadas caixas de som. Se dirigia justamente para o Lagoa. No ultimo volume, uma dessas músicas de gosto duvidoso, letras de duplo sentido e sucesso efêmero.

Diria que era um mau forró de muitos triângulos e foles !

Que melancólico para um final de dia claro. Àquela hora já com o quase crepúsculo irradiando sobre o rio, com aquela música medonha, achei que o Lagoa, a nossa civilização e minha inspiração estão a meio caminho, sempre.    

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

A CAPITAL DO ZÉ PEREIRA

Sabem o "posto do agricultor" a mais nova joia da administração sem crise do melhor prefeito de todos os tempos dos últimos quatro anos ?
Pois é. A antiga 'capital do Juruá', agora conhecida como a 'capital do carnaval', a despeito de ser o carnaval  mais sem-sal-ou-açucar do Acre, é a cidade da piada pronta.

Senão vejamos:

Temos um posto de "saúde do agricultor" localizado na zona urbana, bem no centro da urbe, mas falta "posto do agricultor" onde mora o agricultor.

Um terminal rodoviário urbano que não tem linha urbana de ônibus. Só intermunicipal. Na verdade aquela coisa ridícula de terminal só tem o estado: terminal ! Se desligarem os aparelhos...  

(Só falta o nosso administrador municipal encucar de fazer um terminal urbano lá na zona rural...)

Um mercado que nunca foi mercado. Aliás, nunca foi inaugurado. Essa maravilha arquitetônica aí da foto abaixo...

(Enquanto isso, pediram ao prefeito fazendeiro o tombamento de um prédio antigo onde funcionou por algumas décadas  o fórum criminal da cidade. E não é que o cara tombou mesmo o patrimônio histórico da cidade ? Mandou um trator passar por cima, literalmente. Também ninguém explica, né chefe ?)  

Um mercado da farinha, que o tal prefeito não deixa que se venda farinha. Um mercado do pão que não vende mais pão.

A primeira e única mulher eleita prefeita por aqui construiu o "minhocão".

Enquanto isso muitos prefeitos de cuecas...tampão e buracão !

Só por aqui é possível existir uma avenida chamada de 'boulevard' . Tem propaganda nos meios de comunicação que ainda acrescenta um 'i': "na avenida 'boulevardi' ".

Não se admirem se por aqui cuidar de aparecer uma estrada na zona rural chamada de rua "Avenida São Vagnun".

Ah...ia esquecendo-me. Há uma 'vila olímpica' que não é vila. É Olímpica ? "Teu furico", diriam os cearenses !

Temos um prefeito que não sabe o que é ser prefeito. É um pré-feito, sem pré-conceito.

Quem conseguiria a proeza de criar um beco sem saída e enlameado em pleno centro da cidade, desvalorizando as casas que há muito estavam ali ? Vejam as fotos.

E pensar que neste local há muito era para se fazer uma coisa de maior utilidade pública - uma praça...um estacionamento...aí uma prefeita inteligente tasca um mercado tosco e o outro sucessor um posto de saúde inútil ( é muito posto para poucos médicos) !

Isso é que resulta por a administração da cidade em mãos sem boa cultura: a velha sina democrática de escolher sempre os piores .

É justo o novo título de 'capital do carnaval' doado pela imprensa da capital de todos os riobranquenses ? Deveras. Aqui bem próximo à Linha do Equador a incompetência não é pecado. Tal como no festival da carne, o certo é sempre o errado de gosto duvidoso.

Falta-nos ainda eleger um prefeito chamado 'zé pereira que a ninguém faz mal', use bigode ou saia...é eterno carnaval ! 



....UMA PRAÇA....
ERA PARA SER...



VIROU UM BECO SEM SAÍDA. NÃO É A BR 364. É NO CENTRO DE CRUZEIRO DO SUL 


POSTO DE SAÚDE "DO AGRICULTOR"  É NA ZONA URBANA. AQUI  O SOCÓ  MORA  À  BEIRA DO ASFALTO.....




AH, VÁ PRA VILLA BUSCH !!!

Foto: site. oaltoacre.com


Não mande mais ninguém que está te enchendo o saco, para a casa do caralho - ou carai como gostam de dizer alguns _ mande-os agora para a Villa Busch, "prisão modelo" dos coitadinhos( segundo o Lula !) hermanos bolivianos.

Que nome sugestivo, não ? "Busch" ! Tire o um "c" e fica o quê ? 

Sabem aqueles pobres desvalidos sociais tupiniquins que adoram cometer atrocidades contra (nós) os malvados contribuintes brasileiros _ sempre culpados por ser eles uns filhos de uma gaita, que preferem cometer crimes ao invés de ir trabalhar e depois ainda ficam reclamando da qualidade da comida gratuita que recebem nos presídios daqui ?

Mande-os para a colônia modelo Busch ! Se faltar comida e reclamar pau no ombro não vai faltar (daria uma ótima marchinha carnavalesca, já que por aqui toda desgraça vira letra de samba). Duvido se ateariam fogo no colchão....depois da costa em chama de tanta porretada ! 

Mandaria para lá tudo o que não nos presta, como por exemplo uma boa parcela da classe política brasileira com mandato !

Mas por quê ? Já vos digo nas próximas linhas ...
   
Não gosto de bolivianos ! Podem me censurar e processar por isso amantes do politicamente correto ! Fui uma única vez na tal Cobija para nunca mais repetir a dose. Fui lá como cliente, gastar meu dinheiro ou o que sobrou dele depois de descontado nossa maravilhosa carga tributária.

Vejam se sou lá uma vadia masoquista que adora quem  mal com ela procede !

Fui tratado com desconfiança, má educação e vontade péssima. Senti que sentiam asco pela minha nacionalidade.  

Para completar a famosa hospitalidade, ainda fomos extorquidos por policiais bolivianos que queriam sem motivo algum deter o automóvel em que estávamos. Foi o jeito alimentar a corrupção daqueles párias. Reclamar para quem ?! 

Só não joguei as quinquilharias 'made in china' de cima da ponte por dois motivos: 1) não ousaria contribuir ainda mais para o já poluído Rio Acre e 2) não comprei porra nenhuma daqueles porras. Sou um puto de consumidor !

Repito que não gosto de bolivianos, mas por certo não os odeio e estou a anos-luz de fazer campanhas para alimentar a xenofobia contra os que aqui vivem. Creio termos a responsabilidade de sermos - pelos menos nisto -  melhores que eles. Tenho até uns amigos daquela nacionalidade.

Mas não ousaria com eles atravessar a fronteira. Boliviano bom para mim são aqueles que estão do lado de cá, a mercê de nossas leis humanizadas (às vezes até por demais !)  

Ao ler a matéria que gerou este post  (AQUI VAI) um amigo meu, assim me questionou: O que se pode ser feito contra essas barbaridades ?

Minha resposta : Simples. Que o brasileiro crie vergonha e não ponha mais os pés naquele país ! E se for que não roube ou cometa qualquer tipo de desatino por lá, porque não é todo mundo que tem pena do filho alheio. O resto é blá, blá,blá dos mais fuleiros. A Bolívia é soberana, apesar de viver na idade média e o Brasil não é os EUA  para meter o pé na porta da casa de ninguém !

Há de chegar o dia que os bolivianos farão isso com alguém muito importante por aqui. Aí vai virar tema da novela da Globo e só...porque nunca  alguém muito importante politicamente vai precisar ir à Bolívia novamente.

A não ser claro que ao invés de mandarmos eles irem para casa do caralho, mandemos para a Villa Busch, presídio ao modelo boliviano...   

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

ENQUANTO A MISANTROPIA NÃO ME TOMA POR COMPLETO ...

Por que me visto tão mal ?

Decerto que não sou um maltrapilho sem opção. A esta altura da vida poderia usar roupas mais caras e de grifes. Poderia até me desfazer do carro popular e investir as economias em algo mais prazeroso sobre quatro rodas.

Mas não. Por enquanto ainda não e talvez nunca.

Não julgo quem se prende ao bom gosto das roupas caras e combinadas. Que sejam felizes como são. Meu cisma aqui é outro.

Faço de mim uma figura pobre e mal trajada  de forma proposital. Quero afastar de mim os infames, falsos, destiladores de peçonha. Estes não resistem ao toque simples, cru.

Não é ódio e nem desgosto, é pura diversão. Liberdade de ser assim, eu.

Gosto de ver e comprovar até onde  vai a covardia e a podridão desses humanos, que julgam as pessoas pelo o que veste, o que calça, o que dirige, quantos 's' se gasta no palavrear...

A essência e o caráter jazem por completos. Pobre hipócrita, este povo ocidental, suposto  "cristão", que adora gabar-se de ter como Deus Aquele que se fez carne, habitou entre nós e veio a este mundo em uma humilde manjedoura, em um estábulo qualquer, tendo como pais, pobres de riqueza material.

Certamente a mensagem do Messias não foi para que fossemos pobres e maltrapilhos para sermos dignos. Não me venham com esta, pois ! A dignidade humana, entretanto, no dobro da distância, não está na boa aparência que pode ser comprada, facilmente fabricada ou  na simples origem do individuo.

Me divirto observando este povo hipócrita, que se parasse para olhar mais atentamente veria um discreto sorriso de ironia . Eles não te olham na cara, dentro dos olhos. Te julgam de longe.

Me julgam pela pintura, eu os julgo pela alma. 

São como moscas morféticas por não diferenciar o veneno fatal incluso na sujeira da qual alimentam-se diariamente!  

Não sou e nem quero ser, por certo, melhor que eles. Só diferente e distante, um indivíduo estranho.

Assim a vida é justa e quase divertida...
      

domingo, 20 de janeiro de 2013

COTA ? PURO CINISMO ESTATAL !

Cotas ? Já estou quase esgotando minha cota de paciência em  falar sobre o assunto.

Racial ?

Me chamarão de maldito, mil vezes maldito, mas...

Sou contra não por paixão ou por 'embasamento teórico' qualquer. Rotulado como panfletário já estou. Sou contra por convicção própria.

Sou contra porque não aceito ser classificado tal qual se classificam os ursos em 'branco, preto e pardo'.

Porque a própria e atualizada ciência genética humana, desconsidera tal aberrante divisão para o Homo sapiens.

Porque 'racista' é quem acredita em raça (como o Hitler acreditava) e não quem nega veementemente sua existência.

Porque se existe o mito da democracia racial brasileira, estão tentando substituí-la pelo mito de que a salvação está na distribuição facilitada do diploma de ensino superior público. Enquanto isso, no mercado de trabalho sobram vagas para técnicos com salário bem maiores de quem tem nível superior.

Por que não investir mais em cursos técnicos de nível médio ? Pra que diabos esta mania abarrotar o país de bacharéis e licenciados ?

Social ?

Igualmente contra. Estudar o ensino fundamental e médio em escola particular, necessariamente não significa dizer privilégio. 

Acreditem, muitas vezes significa sacrifício, tanto dos pais, que deixam de comprar luxos para investirem na educação dos filhos e dos filhos que reconhecendo o esforço hercúleo dos pais se dedicam com afinco em busca do conhecimento. 

Que justiça social é essa que prejudica quem de fato se esforça para ter algo na vida ? Não é a 'elite' quem estuda  nas escolas particulares brasileiras e sim os filhos da já atribulada 'classe média' que arca com a maior parte do bolo dos impostos que mantêm este país.

Os filhos da elite estudam no exterior ! ( não incluir aqui a Bolívia, Peru ou Cuba)

Querem promover de verdade a revolução social ? Esqueçam estas aberrações politiqueiras chamadas de cotas. Deixemos, pelo menos uma vez nos últimos cem anos, de imitar o mais racista de todos os países , os EUA.

Vamos imitar a pequena Coreia do Sul, que há pouco tempo era pior que o Brasil.

Lá não criaram cotas para ensino superior. Só investiram pesado na educação fundamental e média em tempo integral. 

Não inventam nada de novidade. Só obedeceram ao que diz lá Declaração de Direitos da Pessoa Humana, no artigo 26, que fala sobre a educação:

" Toda a pessoa tem direito à educação. A educação deve ser gratuita, pelo menos a 
correspondente ao ensino elementar fundamental. O ensino elementar é obrigatório. O 
ensino técnico e profissional dever ser generalizado; o acesso aos estudos superiores 
deve estar aberto a todos em plena igualdade, em função do seu mérito.   

Mais alguém leu  aí a palavra 'mérito' ?      

Um dos poucos políticos decentes deste país, o senador Cristovão Buarque , afirma que o inicio de toda desigualdade está na educação primária. 

Bingo !

Antes de se afirmar com convicção que somos um país 'racista', tem-se que primeiro resolver o radical da questão: os que têm pele escura  estão fora do ensino superior público pelo fator 'racial ou é por que justamente não têm acesso a um ensino fundamental público, gratuito e decente ?

Sim. Eles não têm, juntamente com todos os pobres de todas as cores, credos, religião e time de futebol.

Viva a hipocrisia política e nossa panaceia cínica e urdida.

Me xinguem de maldito, mil vezes maldito !

  



quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

A POSSE DOS MAIS DOS MESMOS

Ontem à noite, para preencher meu tempo de inutilidade, fui a tal posse dos vereadores de Cruzeiro do Sul e do melhor prefeito de todos os tempos dos últimos 04 anos.

Poderia ter feito coisas mais uteis, como por exemplo admirar quintais cercados por finas estacas de sapucaias de 1,5 metro. Quem não compareceu nada perdeu. Jamais será cobrado em entrevista de emprego ou "cairá" na próxima prova de concurso público.

A plateia estava formada no grosso por quem ocupou, ocupa ou ocupará cargos comissionados na prefeitura, futuros assessores de vereadores e seus ansiosos familiares, por jornalistas, uns chateados por trabalhar no feriado, outros serelepe por demais, o motivo não me perguntem. Perdidos, uns ou outro, tolos como eu, que não deveriam sequer está ali.

Poderia aqui descrever passo a passo o evento, mas hoje estará em qualquer site ou jornal da região, o que me  poupa o trabalho. Direi então o que não aparecerá.

O prefeito chegou uma hora atrasado, cumprindo a nossa tradição ridícula de povo mal educado em não cumprir o horário. Depois, preocupado em explicar para imprensa o porquê da criação de mais 05 inúteis secretarias municipais para abrigar seus aliados, não ouviu  o seu nome ser chamado pelo cerimonial. 

Após, demonstrando a fina educação, ficou berrando lá no palco do teatro: " Pela segunda vez, pela segunda vez". Só faltou pegar o microfone, soltar um arroto arretado e oferecer : " Para você, a dóia aí da primeira fila".

Patética mesmo foi a  "eleição para mesa diretora da câmara municipal". Uma coisa tosca, mas que já demonstra a tônica desta legislatura. Se na anterior o executivo soberbo pintou e bordou, nesta ele irá até tricotar sentado.

Se a primeira impressão é a que fica, então estamos lascados. Depois de ouvir o discurso de cada vereador, muito deles descaradamente chamando o prefeito eleito de " meu amigo", já logo vou avisando que a decepção pela 'tal renovação' será enorme. Anotem aí.

Fracos, mais fracos que caldo da biliares , excetuado-se uns 05 dos 14. Enquanto ouvia os discursos, ficava  me perguntando, serão mesmos esses aí os representantes do povo cruzeirense ? Se sim, somos deveras um povo ignara !

Mas eu estava até resistindo bravamente, já que vez ou outra me divertia com aquelas cenas humorísticas de gente falando a todo tempo sobre a vontade de trabalhar pelo povo.

Então, me vem o presidente da câmara, recém eleito, Romário Tavares ( PSDB), dizer que bastava " o melhor prefeito de todos os tempos repetir o excelente trabalho dos últimos quatro anos" ( !!??).

Só neste momento fui perceber que atrás da mesa das  autoridades  tinha uma cortina preta com 05 estrelas brancas, representando a bandeira de Cruzeiro do Sul. Significativamente tétrico...

Depois desta, fui-me embora do local. Faltou-me estômago para ouvir o canto do principal mandrião da noite, todo emplumado, com uma garbosa faixa usada invertida.

Mais 03 horas e meia de minha vida jogadas fora. Cercas de sapucaia !     
  
Ocorreu um erro neste gadget

Arquivo do blog