sexta-feira, 4 de novembro de 2011

ESCÂNDALO ! SURUBA NA ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL



Imagem da internet
Em uma determinada repartição pública de uma cidadezinha do interior do Acre, uma grande fila de usuários se forma no corredor. Burburinho a  decibéis.

Repentinamente, uma pausa na fala coletiva e então se ouvem, claramente, vozes masculinas, vindo de uma das salas, às portas fechadas, que formavam o grande corredor:

_ Coma, chefe ! é sua vez, o senhor agora é obrigado.

_ Calma, também não é assim não....

_ Claro que é ! Eu não comi forçado ? Agora é a vez do senhor, chefe, senão não posso te comer de novo, deixa de ser medroso.

_ Deixa eu pensar...

_ Cuide que não tenho o dia todo. Essa posição me dói os joelhos.

Enquanto o diálogo ia se desenrolando, o povo de fora fazia suas indagações. Era visível o desconforto moral. Onde já se viu ? Os funcionários hoje em dia não respeitam mais nem o horário de trabalho ! Que pouca vergonha !

E o murmuro tomou conta do corredor. As mulheres ficaram coradas de pudor. Um pastor gritou que o sangue de Jesus tinha poder e que era sinal dos tempos, que nos tornamos Sodoma, etc.

Uma vizinha confidenciou a outra, que já tinha ouvido comentários a respeito de que ali tinha mosquito no angu. "Povo aumenta mas não inventa, veja só, amiga".

O vereador da oposição que estava na fila esperando qualquer falha no atendimento para no dia seguinte tirar o couro do prefeito, na rádio da família, não se conteve e começou a fazer discursos inflamados contra a administração, exigindo contratação através de concurso público. "Eu não disse que esse povo não prestava ? Mudança já !"  O seu assessor começou a organizar um abaixo-assinado ali mesmo.

O jornalista estrela já trabalhava mentalmente qual a melhor manchete para o furo, dependendo, claro, da boa vontade do prefeito. Uma mão passa creme na outra e o corpo fica todo perfumado.

O professor universitário, tirou os olhos, um instante, sobre o livro que lia e disse achar um exagero. As pessoas devem ter o direito de fazer quantas vezes puder e quiser, com quem quiser e onde quiser. Ninguém tem nada a ver com a intimidade alheia. Liberdade individual acima de tudo. Ô Povo subdesenvolvido ! E voltou a ler seu exemplar do Moral Capitalista

O empresário, dono de um motel, começou a achar que aquele podia ser um dos motivos da queda de frequência em seu estabelecimento. Começou a imaginar um promoção para conquistar aquela fatia de mercado.

O homossexual, com medo de ser espancado, começou a pisar firme no caminhar e falar grosso dizendo que alguém devia acabar com tamanha falta de respeito. "Isto é um escândalo", bradou com voz de trovão, com cuidado de não balançar muito os braços.

A confusão estava arrumada. Chega a polícia. Alguém sempre lembra de chamar ela nestas horas. O comandante da guarnição se inteira dos fatos. Passa um rádio ao superior no QG e recebe o OK : arromba essa porra e estabeleça a ordem, entendido ?

Se dirigem então para a porta. A polícia na frente e os curiosos atrás. O mais forte dos policiais de um só golpe põe abaixo a porta da sala em questão.

Um ooooooooh , toma conta do corredor da repartição. Tomados  de surpresa, estavam lá o chefe e o seu subordinado. Pela rapidez do ato não tiveram tempo para reação alguma e ficou evidente o flagrante do que estavam fazendo ali, àquela hora:

Estavam de cócoras, de frente um para o outro, devidamente trajados em roupa social. Entre eles, no piso, um tabuleiro do Jogo de Damas. E o chefe, que estava na  vez ,  ainda não tinha decidido se comia ou não a pedra do adversário. Era a hora do intervalo para o lanche. Tudo dentro da legalidade. Decepcionante, mas não necessariamente elementar, meu caro Watson.

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

RASCUNHOS PARA O TEATRINHO DA VIDA REAL

I

Por estes dias tenho lido e ouvido muita gente se queixar dos muros baixos de Cruzeiro do Sul. Não é de agora este queixume.

Lembro-me que quando eu falei a um colega que estava vindo morar por esta banda, ele um cruzeirense de RG, surpreendeu-me ao dar o seguinte aviso: " A cidade é legal, agora cuidado que o pessoal de lá se preocupa muito com a vida alheia !" 

Segundo me contou foi embora daqui ainda quando criança. Não sei o que uma criança entende por fofocas para criar um juízo de valor sobre sua cidade natal. Ou ele não foi retirado a tempo de escapar da contaminação ou é coisa de sangue. Só um linguarudo nato para delatar assim sua orígem, pensei.

E o que ele sabia de tão grave da minha vida, que eu não sabia, para tal desinteressado conselho sobre o que pensariam a meu respeito na tal terra dos muros baixos ?

Dizer que Cruzeiro do Sul é o lugar com maior quantidade de bisbilhoteiro por metro quadrado do Acre, sinceramente, considero um exagero. Não há embasamento teórico ou científico para tal afirmação. 

Ademais, o fuxico não é monopólio cruzeirense. Em toda cidade pequena do Acre, Brasil e mundo existe este fenômeno social. E acreditem, a arte de observar e falar da vida alheia acontece em qualquer urbe por maior e mais cosmopolita que ela seja.
A diferença entre o falar  dos outros de uma cidade pequena e de uma metrópole está na forma, mas o conteúdo é o mesmo. Não a toa que os tais reality show são um sucesso. Não é sem sentido que existem os paparazzis ocupados com a desocupação alheia para distrair as mentes dos sem preocupações com o que realmente interessa nesta vida.

Já moro há mais de uma década no Juruá. Se alguém me perguntar sobre o quesito  'fofocas' , não o sei responder quantitativamente e nem qualitativamente, porque não me interesso por tal assunto.
II
(trocando de máscara)
Eu não me preocupo ou acredito que alguém fale de mim. Não acho que as pessoas gostem de mim. Credito isto a duas variáveis.

A primeira é que eu tenho uma cara de poucos amigos, por isso quase não tenho amigo. Sou um antipático nato que detesta dá bom-dia no ambiente de trabalho. Se acreditasse no diabo, diria que  é a saudação do capeta. É a porta de entrada para falar da vida alheia. O empirismo me comprova que aqueles que mais dão os sonoros bons-dias, com aquele sorriso de boca a boca, são os que mais detonam os colegas na ausência destes.

Os poucos que ousam atravessar a barreira da minha antipatia natural, encontram pela frente a minha antipatia funcional. Não demonstro interesse pela conversa ou no máximo apresento um sorriso sem graça. Com pouco de tino o loquaz saberá que não está agradando.

Ser um antipático quando se tem um rosto bonitinho até que é um charme. Agora um feio antipático afugenta as pessoas. É praxis !

A segunda variavel é que eu não sou nada, socialmente falando. Ninguém se interessa pela vida de quem não é nada. Além de não ser nada, não consigo representar. Não sou assim o prego que quer aparecer e nem a arvore que dá frutos. Estou livre do martelo e das pedradas. Sou sem sal e açucar.

Qual a relação entre as pessoas gostarem de mim e falarem de mim ? É diretamente proporcional. As pessoas só falam ou se interessam pela vida de quem elas realmente gostam ou admiram, sentem inveja no mal ou no bom sentido.

Já não disseram que o contrário do amor, não é o ódio e sim a indiferença ? As pessoas sem futuro ou nada para mostrarem são jogadas no limbo. Eu me criei no limbo. Já me acostumei a ele.

Quem reclama que é alvo de fofocas, não sabe do que está falando ou está de brincadeira. Ou é um ingênuo ou um hipócrita. Não sabe como é feliz ou sabe e finge não saber para ficar mais ainda em evidência. Parem de reclamar ! Vocês são estrelas que não suportariam viver no esquecimento social. Nasceram para brilhar, uns naturalmente, outros nem tanto.

E você, senhor Indiferença, não se interessa pela vida alheia ? Sim !!!! Olho as pessoas de brilho, olho para sua roupas, se tem as unhas bem aparadas ou cabelo nas narinas, ouço a suas falas e observo os seus trejeitos. Mas tento advinhar os espíritos além da casca carnal. O espírito é minha matéria.

O mundo de vocês, senhores e senhoras, é um teatro e é bem mais interessante do que eu mesmo. O mundo das luzes é minha oficina.

Isto me faz ri, aqui no limbo, sozinho e no escuro. Vez ou outra, conto uma piada aos amigos e colegas que riem foçadamente com medo de que me tornem ainda mais antipático.

Em tempo: piada ou causo não é fofoca, é só a realidade redimensionada.

terça-feira, 1 de novembro de 2011

NÃO SOU MATERIALISTA: DISPENSEI UM AUTOMÓVEL ZERO + R$ 100.000,00

Recebi por agora  um SMS em meu chip 9949 7436. Remetente +558881119206. Abaixo transcrevo tal qual :

MEGA PROMOÇÃO P e G AVIAO DO FAUSTAO INF.VOCE GANHOU UM AUTOMÓVEL +100 MIL REAIS PARABÉNS INF.LIGUE DO SEU VIVO P/ 0158881119206 SENHA 5577.

Minha reação imediata:

Harrá, u-huu ! O automóvel é nosso !!!!

Olê, olá, Lulá, Lulá...!!!

Com o salário que recebo tão cedo irei juntar R$ 100.000,00.

Estava prestes a detornar a marretadas o meu já cansado e ultrapassado meio de transporte particular, pois não gosto de chorar miserê com  carro zero na garagem e 100 mil no bolso, caindo de um só vez dos céus, quando me veio um clarão à mente:

_ Peraí, eu não me escrevi em pôrra de promoção de Faustão nenhuma e como dizem os americanos " não há almoço grátis".

PQP !   Só me lembrei do sensacional trecho daquela música dos Mamonas Assassinas, grupo musical que realmente representou o melhor do melhor do Brasil :

" Eu sou cagado, vejam só como é que é
Quando chove Xuxa no meu colo cai Pelé
Como naquele ditado que já dizia:
Pau que nasce torto, mija fora da bacia "

Resolvi não ligar mais para o número indicado, até mesmo porque não tenho mais nem crédito.

Sou humanista. Morro de dó dos maninhos que estão atrás das grades querendo se comunicar com o mundo.

Mas não sou dos Direitos Humanos. Eles que se virem para doar créditos de celular aos seus inocentes menininhos, vítimas do descaso do sistema, que estão trancafiados fisicamente, mas as ideias andam soltas a mandar SMS para o Brasil todo a espera de um contato.

Não tenho dinheiro nem para cair nos golpes por celular. Descupe-me maninhos mas " money que é good nós não have"

Continuem tentando, quem sabe um dia...

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

SALES, A MARCHA E A CHAVE

 “Eu me sinto gratificado espiritualmente de participar de um momento tão bonito. Eu acho que grandes manifestações de fé em Deus que reforça os valores cristãos e da família são muito proveitosas. Eu só tenho a agradecer as igrejas, os pastores e a todas as pessoas que participaram. Somente através da palavra de Deus é que o mundo pode ser transformado. Cruzeiro do Sul está sendo muito abençoado hoje aqui, através desses ministros do evangelho”, comentou o prefeito, Vagner Sales. (sic)
Foto retirada do site da profunda profícua AC24HORAS.COM

Trecho do release da prefeitura de Cruzeiro do Sul encaminhado à parte da imprensa livre do Acre (quiáquiáquiá, podem rir) a respeito de um evento evangélico realizado neste fim de semana aqui na cidade do Trabalho e Cidadania.

A igreja católica realizou um evento no mesmo dia, um pouco mais cedo. Não houve destaque por parte da imprensa. Pela prefeitura menos ainda.

A autoridade em questão não é do meio evangélico. Também não é católico. Se for se enquadra no tipo " católico não praticante ",  um eufemismo para quem tem vergonha de dizer que não tem religião. É mais ou menos como o macho brasileiro que não gosta de futebol, mas para não passar constrangimento diz que  "torce pelo Brasil", quando indagado qual o seu time de coração.

O que levaria então uma autoridade que representa o pretenso laicismo do Estado a participar da marcha dos evangélicos e não participar da marcha católica ? E se participou por que sua assessoria não distribuiu o release ?

Sim, porque ali não era o cidadão, era o prefeito, com bigodinho ralo, vestindo camisa-maga-polo-com-jarezinho e tudo !

Não teriam os católicos os mesmos direitos dos evangélicos de contar com a presença do senhor prefeito ?

Como não faço parte dos inocentes que enxergam bondade na política, maquiavelicamente falando,  faço a seguinte pergunta : Os votos dos católicos já não lhes fazem falta, senhor príncipe ?

Eu mesmo respondo: Acho que isto não rende voto algum. Se o povo não é de César, também não será de Vagner, afinal como dizia a propaganda volante que anunciou o evento pelas ruas da cidade a marcha era do povo de Deus. Sales que amarre seu burrego em outra freguesia.

Segundo o release o prefeito acredita que a palavra de Deus pode transformar o mundo. Sales, que não quer ficar para trás, através da palavra conseguiu mudar Cruzeiro do Sul, um pequeno pedaço do mundo: Agora somos Trabalho e Cidadania. Só falta por aqui trabalho e cidadania, mas isto é um mero detalhe.

Em nossa urbe o verbo do prefeito ainda não se fez carne, nem asfalto, nem calçadas, nem saneamento, nem saúde, nem educação...e nem a reforma do Samambaia Clube.

Como se ver na foto, os líderes religiosos entregaram uma grande chave para o prefeito. Ótimo. Quem sabe assim ele  abra a caixa-preta  que é a sua administração. Não há melhor demonstração de desenvolvimento, paz, amor e democracia neste mundo do que a transparência pública.

O restante pode entregar a Deus ou ao mundo da retórica.

Ocorreu um erro neste gadget

Arquivo do blog