sábado, 22 de janeiro de 2011

Sales perlusta Severiano : eu cediço jovem vereador ? É óbice que não !


A Câmara de Vereadores  encaminhou  projeto de lei,  de autoria do vereador Franco Severiano (PT), ao heróico prefeito de Cruzeiro do Sul, Vagner  Sales.Eis na íntegra, ou para ser boçal, segue ipisis litteris, despacho  do mestre Sales:

( P/S : Os grifados  em vermelho são  nosso. No final a gente comenta)

MENSAGEM N° 003/2011, DE 17 DE JANEIRO DE 2011.

Senhor Presidente da Câmara Municipal,

Comunico a Vossa Excelência que, nos termos do art. 64, inciso VI,da Lei Orgânica, decidi VETAR PARCIALMENTE o Autógrafo de Lei n°036/2010, ref. ao Projeto de Lei n° 004/2010, de autoria do vereador Franco Severiano, que “determina que a prefeitura municipal de Cruzeiro do Sul informa à população, através do órgão competente, sobre a situação da pavimentação das ruas do Município.”

Vagner Sales
Prefeito Municipal

RAZÕES DO VETO
Após perlustar o mérito do Autógrafo de Lei n° 036/2010 chego à conclusão que o mesmo é constitucional, não possuindo nenhum vício que conduza ao veto jurídico.Entretanto, entendo que no todo o Autógrafo de Lei, apesar de bem intencionado, encontra óbice para sua implantação imediata. Primeiro, devemos considerar o baixo índice de pessoas com acesso,no Município de Cruzeiro do Sul, a rede mundial de computadores.Assim, a disponibilização, pela internet, do mapeamento das ruas e calçadas atingiria somente uma parcela ínfima da populaçãoDeste modo, o custo para efetivação do disposto no art. 2° seria desproporcional ao seu objetivo.

 É cediço que a Administração deve fazer cumprir o princípio da publicidade, e este já é observado atualmente,pois na sede da Secretaria Municipal de Urbanismo, Obras e Viação já há mapas da cidade onde se é possível localizar as principais ruas de nosso Município.Entretanto, fosse somente este o empecilho certamente esta Prefeitura não olvidaria esforços para disponibilizar o mais rápido possível o mapa de todas as ruas e calçadas da cidade em sua página na internet.

Não podemos esquecer, por outro lado, o maior dos problemas, a ausência de um mapeamento preciso das ruas e calçadas de nossoMunicípio, vez que este só será possível a partir de um levantamento completo que deságue no respectivo plano diretor, cujo custo para efetivação beira a cifra de R$ 1 (um) milhão de reais.Assim, por hora, por questões de ordem técnica e econômica, estamos impossibilitados de por em prática o que se busca no artigo 2° e 3°, face a ausência de uma base segura de dados e imagens.

Quanto ao disposto nos artigos 1° e 4° o princípio da publicidade impõe o dever da Administração informar a população sobre seus atos, e os mapas dispostos na sede da Secretaria de Urbanismo, Obras e Viação,
bem ainda o próprio telefone da Secretaria cumprem o desiderato buscado pelos artigos retrocitados.
Assim, por entender que não é conveniente e oportuno o disposto nos artigos 2° e 3°, hei de exercer o VETO POLÍTICO.

Finalizando, essas são, Senhor Presidente, as razões que me levaram a vetar parcialmente o Autógrafo de Lei n° 036/2010, em seus artigos 2° e 3°, as quais ora submeto à elevada apreciação dos Senhores Membros
da Câmara Municipal.

Cruzeiro do Sul/AC, 17 de janeiro de 2011.
Vagner Sales
Prefeito Municipal
_________________________________________________
Meu comentário:
Mostrei esse texto ao pedreiro, que no momento, está construindo uma  sisterna na minha humilde residência. Doravante, usarei água da chuva para escapar da escassez do precioso líquido que o poder público não consegue suprir.

Ele, o pedreiro, ainda não leu Machado de Assis ou Nietzsche, ainda não teve seu mundo desnudado pela leitura de preciosos escritos.Confessou-me , porém , que também é gente e já leu a Bíblia e a série " Crepúsculo" de Stephenie Meyer. Disse que tem massa cinza no cérebro.

Enfim, leu, releu, franziu o coro da testa e respondeu-me, firme, olhando nos olhos, como só os homens de bem o faz :

_ " Num intendi, carai ninhum ".

Ufa ! Não estou sozinho na ignorância. 

Não conheço o teor do projeto do vereador. Mas, pelo que está no preâmbulo da resposta  “determina que a prefeitura municipal de Cruzeiro do Sul informa à população, através do órgão competente, sobre a situação da pavimentação das ruas do Município.”  

E para isso é necessária a implantação/efetivação de um Plano Diretor ? Não seria só para informar quais as ruas quem têm asfalto e calçamento ?

E cadê o Plano Diretor de Cruzeiro do Sul ? Pela lei n.º 10.257/01 ou Estatuto da Cidade, toda localidade com mais de 20.000 habitantes estaria obrigada a fazer seu Plano Diretor até a data máxima de 10 de outubro de 2006.E até agora não fizemos o nosso ou fizemos um  para não  ser implantado porque não se tem verba para tal ? 

 " (... ) a disponibilização, pela internet, do mapeamento das ruas e calçadas atingiria somente uma parcela ínfima da população." (?!). Quer dizer então que os mapas cheios de mofo, dentro de uma  gaveta , cheia de teia de aranha da secretaria municipal ,se assim continuarem, vão servir para um maior número de pessoas ? Quem é que vai, em sã consciência atrás de mapa em secretaria , mermão ? 
Quem sabe depois que o mago da avenida Mâncio Lima, finalmente, vier a implantar o seu mega projeto de instalar computadores no antigo Samabaia Clube para que todo mundo tenha acesso à computação e à comunicação virtual gratuita, essa parcela da população deixe ser tão "ínfima". 

É , o veto é parcial . Quem sabe até 2050 ...O problema é que o fim do mundo está previsto  para 2012.

Seria melhor Sales ter dito que, até lá ,  tem mais o que fazer do que ficar dando bola para um vereador da oposição.Assim o pedreiro teria entendido e eu também.

_____________________________________
Para não me acusarem de ser pacial , procurei por Manuel Piau* para explicar melhor o perlustar, óbice, desiderato e cediço e o mesmo respondeu, no momento, que estava ocupado assessorando uma certa estrela  Global  a encontrar axila em cobra (favor não confundir com pênis) no projeto Santa Luzia.Ele ficou puto da cara por ser importunado por uma coisa tão sem importância, mas garantiu que "exprobará" o tudo aqui escrivinhado na primeira oportunidade.Aguardem.

Leiam sobre a presença da atriz global nos ramais do Juruá  no blog do jornalista Leandro Altheman :www.terranauas.blogspot.com

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Hasta la vista , IEVAL ?

ieval_2
fonte da imagem: www.vozdonorte.com.br

Acabo de ler uma matéria no site do jornal Voz do Norte  (leia aqui), assinada pela competente jornalista Dayana Maia , sobre a compra do prédio do Instituto de Educação,Ciência e Tecnologia do Vale do Juruá _ IEVAL ou Ieval .O Ieval é a unica faculdade  particular presencial  no interior acreano.Quem deve adquirir a estrutura  é o Instituto Federal Acre -IFAC, órgão público de educação .

Fiquei alegre e ,paradoxalmente, triste com a notícia. Alegre por que vejo a vontade do IFAC , não só vontade mas pelo visto diligência, em investir na região, o que é muito bom para a juventude e por tabela para  o todo social de nossa localidade.Significa mais vagas de estudo para o ensino superior e implantação de novos cursos técnicos ,para uma melhor qualificação de mão de obra e futuros _ porque não ?, empreendedores.

Fico triste por dois motivos: o primeiro é que a matéria foi postada ainda na sexta feira(14) e só hoje eu fui tomar conhecimento ,o que denota que estou a olhar demais o quintal alheio  e ficando alheio ao que acontece no meu terreiro.Isso é péssimo para qualquer um.

O segundo motivo é por que apesar de o texto não focar o assunto, mas posso inferir, devemos perder uma faculdade.E isso não é bom.Não é mesmo. Em se confirmar, o fechamento do IEVAL em Cruzeiro do Sul representa uma derrota para nossa região.Representa uma derrota para o empreendimento e investimento particular, precisamente na educação, para o interior acreano.

Como sou daquelas pessoas que acreditam firmemente na formação intelectual, como a unica forma de revolução pacífica capaz de tirar qualquer nação ou região deste Planeta-água, do atraso tecnológico, econômico e social, essa notícia  entristece-me.

Ora, alguém pode se conformar e achar que estamos fechando uma e abrindo uma outra e esta pública e gratuita. Será mesmo seis por meia dúzia ? Em se tratando em investimento no ensino, prefiro a dúzia , completíssima. Caramba ! Estaremos perdendo pelo menos duas áreas do conhecimento graduado.Além disso, também comungo com a idéia de que  as faculdades particulares representam a verdadeira democratização do ensino superior. Torcia muito para que o Ieval se firmasse cada vez mais e trouxesse mais cursos de graduação para o Juruá, inclusive os de direito, medicina, etc.

Também me dói o título de  "Cidade-do-já-teve". Infelizmente ,ao que tudo indica,   será esta mais uma lembrança e com gosto amargo,diremos, a quem possa perguntar , que não temos mais uma faculdade particular : " _ Já tivemos, mas...". É como andar na contra-mão do desenvolvimento, um atestado do fracasso.

Espero está redondamente, quadradamente  e cubicamente equivocado sobre o fechamento do IEVAL.Se não, que passe à história e à memória dos dias que virão.É o que vai restar, infelizmente. 


quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Artificial baunilha.

Passeando pelas ruas da cidade da Cidadania e Trabalho, resolvi refrescar o calor da mecânica corpórea com um sorvete. Sentei-me à mesa de uma sorveteria, localizada na praça central. Fiz o pedido de um de baunilha.Não sei que diabos eu tenho com baunilha, nunca a vi e tenho certeza que nunca provei seu gosto natural.Por azar não tinha de baunilha. A moça me serve então um de cupuaçu.Faço de conta que é de baunilha.

Aproveito , enquanto degusto , para olhar as pessoas.Não como se vestem,mas como se comportam.Uma boa maneira de passar o tempo e exercitar minha filosofia barata.Infeliz de quem tem uma filosofia cara.O meu prazer está no barato,assim como da criança está no doce.Em nossa sociedade consumista, poucas pessoas valorizam as coisas baratas.Sou realmente de gosto raro.Mas, como estava dizendo, olho as pessoas.Na ocasião tinham poucas na rua e nada que me comprasse a atenção demasiada.

Até que do outro lado da avenida vejo duas pessoas.Na realidade dois jovens do mesmo sexo.Eu já os havia visto momento antes. Só conversavam. Agora não. Eles se beijavam e na boca.Daqueles beijos molhados de troca de salivas abundantes. Daqueles capazes de tirar o mais insistente limo da língua.Nem Tarcísio e Glória, no auge da carreira profissional fariam melhor.

De forma instantânea procurei pela reação das outras testemunhas.Uns fingiram ignorá-los, fazendo um meio sorriso e olhando-os de banda.Alguns outros, foram mais incisivos e ensaiaram uma vaia.Umas garotas mostraram-se surpresas e soltaram um " Oh , meus Deus !".Um senhor que estava à mesa próxima a minha foi bem humorado e perguntou-me: "Má, rapaize , aquilo é lobisomi cum lobisomi, é ?"

Se me perguntarem qual a minha opinião sobre a questão da homossexualidade,direi que sou neutro.É um assunto por qual não me interesso.Não sou homofóbico e nem homossexual.Agora, se me perguntarem se acho normal, dois homens se beijando na boca, assim , em plena praça pública, respondo , sem tempo de piscar, que não.Não acho normal e pronto.Creio que ainda não evolui o bastante para tal.A minha educação não chega a tanto.

E caso me questionarem se sou contra o direito de dois homens se "amassarem " na praça ? Direi que não. Uma coisa não tem a ver com a outra. É um direito que lhes assiste a constituição e tenho que respeitar. O fato de se beijarem não me agride na liberdade .Não sou falso puritano e nem veladamente depravado. O que me incomoda é o abuso e a coisa forçada.

A aceitação por parte sociedade da homossexualidade deve ser de forma natural e não doutrinada por lei ou por qualquer espécie de pressão.Vejo os abusos cometidos nas passeatas gays, país a dentro, como desnecessários.Penso que para ser gay e ter seus direitos respeitados, uma pessoa não precisa ser escandalosa e perder a compostura social.Não é enfiando uma tanguinha na regada da bunda e desfilar na Avenida Paulista que vão se fazer respeitar.A coisa deveria ser levada mais a sério.

Aqueles dois jovens não estavam se beijando de forma natural.Era para chamar atenção mesmo.A intenção era provocar.Porque não iam curtir suas intimidades em local mais privativo, na penumbra, como faz qualquer casal que se gosta ? Porque diabos aqueles estalidos de lábios naqueles decibéis ? Davam pequenos intervalos ,riam para a platéia e retornavam o ato.Ridículo e totalmente desnecessário até mesmo se fosse um casal heterossexual.

Mesmo assim, defendo o direito deles de fazê-lo, assim como das pessoas de se espantarem, com hipocrisia ou não. Quem não se escandaliza com a quebra da normalidade ? Só é inaceitável a agressão moral e física.O diferente também pode existir e coexistir pacificamente com o paradgma social.

Acho que isso deve ser o que alguns chamam de tolerância: não me se senti à vontade, não achei normal, mas , respeitei.Não os xinguei e nem me passou pela mente a idéia de esmurrá-los por serem diferente. Reprovei-os no meu silêncio. Não por que eles eram gays e sim pelo ato bisonho e do espetáculo deplorável que proporcionaram. Aquilo não era coisa para homem.Não o homem que gosta de mulher.Me refiro ao ser homem de caráter, independente da sua orientação sexual.

Antes que a cena terminasse ,ainda ouvi alguém comentar que " o tal Big Brother esse ano tá cheio de viado ". Mais uma coisa ridícula, forçada e esteriotipada que a Globo vende aos seus telespectadores.Um serviço que vai de encontro e não ao encontro da causa dos homossexuais.Como faz muito tempo que não assisto à Globo à noite,estou alheio a isso.

Esqueço a cena.Prefiro voltar ao meu sorvete de cupuaçu, com leve gosto de baunilha.Nunca vi uma baunilha.Já vi até dois homens emendando os bigodes em via pública.Vou continuar por muito tempo sem ver uma baunilha de verdade, a não ser que no próximo ano, a Globo anuncie que uma baunilha, seja a atração do seu reality show.Mas aí ela vai continuar sendo falsa e forçada, como aqueles beijos artificiais e escandalosos.
Ocorreu um erro neste gadget

Arquivo do blog