quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

A POSSE DOS MAIS DOS MESMOS

Ontem à noite, para preencher meu tempo de inutilidade, fui a tal posse dos vereadores de Cruzeiro do Sul e do melhor prefeito de todos os tempos dos últimos 04 anos.

Poderia ter feito coisas mais uteis, como por exemplo admirar quintais cercados por finas estacas de sapucaias de 1,5 metro. Quem não compareceu nada perdeu. Jamais será cobrado em entrevista de emprego ou "cairá" na próxima prova de concurso público.

A plateia estava formada no grosso por quem ocupou, ocupa ou ocupará cargos comissionados na prefeitura, futuros assessores de vereadores e seus ansiosos familiares, por jornalistas, uns chateados por trabalhar no feriado, outros serelepe por demais, o motivo não me perguntem. Perdidos, uns ou outro, tolos como eu, que não deveriam sequer está ali.

Poderia aqui descrever passo a passo o evento, mas hoje estará em qualquer site ou jornal da região, o que me  poupa o trabalho. Direi então o que não aparecerá.

O prefeito chegou uma hora atrasado, cumprindo a nossa tradição ridícula de povo mal educado em não cumprir o horário. Depois, preocupado em explicar para imprensa o porquê da criação de mais 05 inúteis secretarias municipais para abrigar seus aliados, não ouviu  o seu nome ser chamado pelo cerimonial. 

Após, demonstrando a fina educação, ficou berrando lá no palco do teatro: " Pela segunda vez, pela segunda vez". Só faltou pegar o microfone, soltar um arroto arretado e oferecer : " Para você, a dóia aí da primeira fila".

Patética mesmo foi a  "eleição para mesa diretora da câmara municipal". Uma coisa tosca, mas que já demonstra a tônica desta legislatura. Se na anterior o executivo soberbo pintou e bordou, nesta ele irá até tricotar sentado.

Se a primeira impressão é a que fica, então estamos lascados. Depois de ouvir o discurso de cada vereador, muito deles descaradamente chamando o prefeito eleito de " meu amigo", já logo vou avisando que a decepção pela 'tal renovação' será enorme. Anotem aí.

Fracos, mais fracos que caldo da biliares , excetuado-se uns 05 dos 14. Enquanto ouvia os discursos, ficava  me perguntando, serão mesmos esses aí os representantes do povo cruzeirense ? Se sim, somos deveras um povo ignara !

Mas eu estava até resistindo bravamente, já que vez ou outra me divertia com aquelas cenas humorísticas de gente falando a todo tempo sobre a vontade de trabalhar pelo povo.

Então, me vem o presidente da câmara, recém eleito, Romário Tavares ( PSDB), dizer que bastava " o melhor prefeito de todos os tempos repetir o excelente trabalho dos últimos quatro anos" ( !!??).

Só neste momento fui perceber que atrás da mesa das  autoridades  tinha uma cortina preta com 05 estrelas brancas, representando a bandeira de Cruzeiro do Sul. Significativamente tétrico...

Depois desta, fui-me embora do local. Faltou-me estômago para ouvir o canto do principal mandrião da noite, todo emplumado, com uma garbosa faixa usada invertida.

Mais 03 horas e meia de minha vida jogadas fora. Cercas de sapucaia !     
  

segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

SÓ MAIS UMA 'TOLEIMA', A ÚLTIMA DO ANO

Me rotulem do que quiserem, acho mesmo que estou me tornando uma rabugento arraigado, mas tem coisa pior e esdruxula do que a corrida de rua 'São Silvestre' ser realizada pela manhã ?

Crie-me assistindo à São Silvestre sendo realizada à noite, na passagem de um ano para outro, quando o vencedor praticamente cruzava a linha de chegada na 'última virada do ponteiro', motivo principal _ creio ser o único _ que a tornou mundialmente conhecida.

Era um programa de família. Lembro-me, apesar da tenra idade, de um nome, Rolando Vera, um equatoriano, baixinho, que era o capeta em forma de corredor. O cara apontava na reta de chegada e o locutor da TV, disparava: " Lá vem o pequeno equatoriano, pequenino mas com passos de gigante para vencer por mais um ano". 

Dos prédios da Paulista caía chuva de papel picotados e ecoava para coroar vitória a música-tema do filme Chariots of Fire. Era simplesmente épico.

Com esfarrapada explicação de se adequar para fazer parte do calendário oficial de uma tal federação internacional de atletismo (quem precisa do calendário daquela joça ?), depois de 65 anos de tradição ininterrupta, passou de forma bisonha a ser disputada à tarde.

Perdeu-se o encanto. Nem lembro-me mais a última vez que fiquei em frente à TV para assistir a corrida. Se caísse em meu colo uma pergunta valendo 100 milhões de Euros sobre pelo menos um nome de um vencedor da prova nos últimos 20 anos, eu continuaria o plebeu honesto que sou.

Para globo é mais vantajoso transmitir esta tolice de réveillon ao vivo, como se interessasse ao restante do Brasil saber quantas toneladas de fogos é queimada na praia de Copacabana ou na Avenida Paulista. Qual é magia de se ver bebuns hipócritas desejando 'próspero ano" a quem ele nunca viu na vida ? 

Como o que já está ruim tem a  imensa capacidade de se tornar pior, resolveram este ano que a disputa aconteceria pela manhã, para não atrapalhar a festa do tal réveillon na Paulista. Como sempre, na prática, o esporte é preterido pelo uso do álcool. Sai  os corredores e " Carruagens de fogo" para entrar os mamados atrás do volante e a macha fúnebre no feriado em comemoração a paz universal. Saem os corpos suados pela vivacidade do esforço e entram os corpos quentes pelas bebidas _ possivelmente alguns estarão frios e rígidos na manhã seguinte, para se tornarem ninguém, apenas números das estatísticas que não causam mais espantos.      

A continuar neste ritmo a corrida tende a ser disputada na madrugada do dia qualquer menos interessante do ano passado. O que minha vida perdeu por não mais assistir na virada do ano a uma corrida pedestre ? nada, absolutamente nada...aumentou com certeza minha saudade e minha insatisfação da falta de compromisso do meu país  com coisas tão pequenas que parecem nunca ter fim.    



Ocorreu um erro neste gadget

Arquivo do blog