quinta-feira, 17 de março de 2011

VAI TOMATE CRU !!

 
Foto: Adson Dutra
O tomate, que não é nosso de cada dia, é um alimento essencial para saúde. É rico em vitaminas, sais minerais e fibras. Além disso, possui uma substancia chamada de licopeno , capaz de efeitos oxidantes que ajudam na prevenção de doenças do coração e vários  tipos de câncer, entre eles o de próstata. 

O tomate, como se vê na foto, é produto "cult" em Cruzeiro do Sul. Nossa massa populacional  não pode fazer  uso dele durante a maior parte do ano. É o nosso caviar vegetal. Mas peço calma, toda benevolência prometida pela ingestão de licopeno pode ser adquirida também em outras frutas de cor vermelha. E a melhor notícia: Nos seus derivados industriais tais como molho, extrato, ketchup a incidência dessa substância, segundo pesquisas, é ainda mais acentuadas. Ataquemos então as prateleiras e fujamos, nós os juruanses, da tirania tomateira ! 

Só que não existe jurubeba doce e sem espinho. O tomate é só um símbolo. Um  signo do descaso em todas suas representações. Poderemos viver sem o tomate senhores e senhoras, não, porém, com a azia que sua emblemática figura representa nesta foto, no nosso imaginário de escassez artificial e nossa vida severina de interiorano amazônida.

O tomate, esse ser de pele vermelha e lisa, não nos faz falta. Nem ele, nem hortaliças outras, nem frutas diversas. Falta-nos mesmo é cidadania. Falta respeito. Falta indignação. Sobra soberba e voraz apetite pelo lucro fácil. O barracão não nos abandonou ainda. Ele está lá a mostrar quem manda e quem, por bom juízo, obedece-lhes.

O problema não está na exportação, como dizem as vozes fortes dessas plagas. Sabem o tijolo, aquele produto bruto sem tecnolgia de ponta embutida ? Não vem da China. Sua  matéria  prima é o barro que, aqui na terra dos morros, teima em cair, por própria conta, em cima das fornalhas. Mil unidades custam quase cinco centenas da moeda corrente e nem tem licopeno. Não depende dos rios, nem estrada, nem aviões. 

 Alguns costumam  gabar-se que são cruzeirense porque aqui nasceram. Outros  proclamam-se "menino das barrancas do Juruá ". Outra penca não se cansa de explanar seus amores pelos telúricos  dos nauás. Que sejam ! É  um direito perene. Não serei eu o autor de tamanha reproche.

Entretanto, que me perdoem, muito mais cruzeirenses  são aqueles obrigados a conviverem com tremend acinte , independente do registro de nascimento. Uma realidade que todos conhecem, porém, ninguém toma providências, muito menos aqueles que reúnem as condições legais e constitucionais para tal .

Só o fim da promessa centenária da ligação terrestre não é suficiente. Que venham os lobos de garras e dentes maiores ainda, a travar batalha, com suas máquinas de maior reprodução e poder de ganho com menor esforço. Ganharemos tomates, mas perderemos a inocência do isolamento. Poderíamos viver em paz, se não fosse os olhos tão grandes dos velhos lobos nativos, de garras e dentes postiços. Tomate cru para eles e sem licopenos.

2 comentários:

  1. NÃO O CONHEÇO PESSOALMENTE,MAS QUERO PARABENIZÁ-LO, SEUS TEXTOS SÃO MUITOS BONS, FOGEM DO LUGAR-COMUM. JÁ LI VÁRIAS CRÍTICAS A RESPEITO DO ASSUNTO, MAS NENHUMA COM ESSE ESTILO.
    HA, E ESSES TOMATES DEVEM SER MADE IN PÉ-DA- TERRA,MANCIO LIMA. TAMBÉM NÃO VIERAM DO OUTRO LADO DO PAÍS

    DO SEU AMIGO ANÔNIMO, PARA CONTRAPOR AO SEU INIMIGO.

    ResponderExcluir
  2. Aproveitando seus esclarecimentos, lembrei de um amigo que, sem dinheiro, buscou a alternativa certa quando não se está em Cruzeiro. Pensando em jantar com pouca grana, o "planetário" optou em tomar sopa no jantar em um dos raros restaurantes da localidade.
    Para aqueles que não conhecem a realidade, sopa com legumes tem custo maior que um prato do "empoeirado" churrasco em la praça.
    Depois dessa o "planetário" aprendeu um pouco de economia.
    Ah, ele encontrou-me na ocasião e acabei complementando o pagamento da sopa.

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget

Arquivo do blog