sábado, 17 de abril de 2010

Os justos também pagarão

Nos últimos dias, a Polícia Civil desencadeou uma operação de combate ao narcotráfico na região do Juruá e várias pessoas foram presas acusadas de  participarem efetivamente de uma logística para distribuição de drogas. 

Isto seria de comemorar se não fosse o fato de que essa operação noticiada com eloqüência pelos meios de comunicação da capital, só aumentará o preconceito contra nossa região.Alguns jornais deram sumo destaque ao ocorrido,com uma narração típica dos roteiros da série  O Poderoso Chefão.

Não critico a divulgação dos fatos ocorridos e sim a forma grotesca como alguns os estão  noticiando, com o simples , mas estranho, prazer de quem está se vingando de algo ou uma espécie de acerto para com a região, fazendo ilações a respeito das pessoas que aqui vivem.

Sem o senso de responsabilidade jogaram toda a região na lama, nivelando todos por baixo.Um desavisado que   lê um texto " jornalístico " desses, terá a primeira impressão, que alguns dizem ser "a que fica", que somos uma terra sem lei, dominada  pelos barões da droga, os "capos".

Ora, o que acontece em Cruzeiro do Sul e em toda região é o mesmo que acontece em todo o Acre e o Brasil, devido as chamadas fronteiras secas, que limitam o país de norte a sul e  que não se consegue  vigiar de forma eficiente.Não é, portanto, exclusividade do Juruá.

O argumento de que por aqui passa a maior quantidade também não é válida, por motivo inclusive de logística, visto ser o caminho mais longo, para se chegar ao mercado principal que é o centro-sul do país e de lá para o mercado internacional.

Inaceitável  também é jogar a suspeita sobre todos os comerciantes ,como se  fossem integrantes de uma grande rede de tráfico de entorpecentes. Como acontece em qualquer lugar do mundo, existem também por aqui, bons e maus comerciantes.Assim como bons e maus políticos, funcionários públicos decentes e outros cooptados.

O que transparece na narrativa é o típico preconceito contra a região.E esses argumentos se repetem para qualquer coisa.E a justificativa é sempre a mesma. Quem não lembra das manifestação ocorridas quando foi cogitada a possibilidade de se abrir uma estrada ligando Cruzeiro do Sul à Puccalpa no Peru ? 

Além dos já esperados discursos contrários dos ecologistas de última hora, sobressaiu-se o argumento de que essa estrada só facilitaria a entrada de drogas no país via Peru. O interessante é que esses argumentos não são utilizados quando se trata da estrada que liga o estado ao país vizinho, via vale do Acre.

Nas reportagens só faltaram culpar o marechal Taumaturgo, por ter fundado uma cidade  que um dia iria se transformar no maior centro receptor e exportador de drogas para o mundo.O governador Binho tem razão quando fala sobre jornalistas no Acre: é muita quantidade e pouca qualidade.

4 comentários:

  1. Não seja imbecil e tente justificar o injustificável,se não fosse o tráfico de drogas Cruzeiro do Sul, já teria sumido do mapa vai tempo....

    ResponderExcluir
  2. Caro anônimo,se você me mostrar uma linha no texto na qual tento defender ou justificar o tráfico em czs ou em qualquer lugar, passarei realmente a me considerar um imbecil.Até lá o único é você.

    ResponderExcluir
  3. cocmo é que um cara é tão idiota a ponto de escrever uma besteiras desas, e ainda como anônimo,meu caro Jairo, não é sendo antidemocrático, mas sensure esses coment´´arios de gente sem miôlo...

    ResponderExcluir
  4. Caro amigo vc tem toda a razão,muita gente aki em RBO tem essa impressão sobre CZS. Só mesmo que não conhece o povo daí pode pensar assim.Como vc disse uma vez o melhor do Juruá é o seu povo, verdadeiros heróis da resistência, que mesmo com mais de um século de isolamento,ainda assim consegue ser a maior cidade do interior.A estrada um dia vai sair e eu vou morar aí também.

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget

Arquivo do blog