sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

CRÔNICA DA MINHA FILOSOFIA BARATA: O LOBO SEMPRE VENCE NO FINAL


Ontem tive a oportunidade, diria não muito desejada, de receber a visita do dono do alheio. Ele veio na madrugada no melhor do meu sono, aproveitando a noite de chuva invernosa  _ só quando as nossas choupanas amazônicas ficam refrigeradas e deixam nossos sentidos mais dormentes _  para me aliviar de alguns bens adquirido pelo ofício. Quando despertei, repentino, do meu descanso já era sem jeito, o convidado non grata já se tinha ido. Restava apenas o latido agoniado do cachorro e o forte cheiro de enxofre deixado pela fumaça que encobria seus rastros.

Queria eu tê-lo encontrado ? Não sei ao certo. A arma artesanal deixada na fuga, apresentada na imagem acima, demonstra que ele não estava muito a fim de papo. Queria, porém, parabenizá-lo pela empreitada. Ele é sortudo porque a lei e a moral não o restringe. Ele pode quebrar o Contrato Social de Rousseau. Ele não está preso ao que restou do compêndio do Richard Baxter e da ética puritana. Aliás, minha Visita Secreta não está preso a nada. Não é preciso da dedução ou da inferição " sherloqueana" para saber que aprendeu fazer aquele tipo de arma em uma  dessas unidades de recuperação social. E que recuperação !!

Gabaria sua condição privilegiada. Ele sempre estará um passo na frente. Eu nunca saberei quando  virá novamente. Esperarei dias, meses, perdendo o sono. Ele dormirá tranquilo, me matará no cansaço da espera. Quando decidir, voltará a carga quando eu estiver novamente dormindo. E o seu lucro financeiro será grande. Cada coisa que ele levou, paguei os impostos nela's contidos. Ele conseguiu livre. Tudo é franqueado no furto.Sorte minha e burrice dele que só eram velhos cacarecos.

Enquanto cumpria minha carga horária escolar e de trabalho , me  impunham  a lei  Draconiana , a moral e a ascese Calvinista e Capitalista, ele ,coitado, era vítima de um tal de "sistema". Por isso aprendeu a manusear e fabricar armas, dilacerar a pele e espetar os órgãos internos dos corpos alheios. Seu porte de arma é garantido, a lei não o alcança. Está preparado para a batalha corporal, eis mais uma vantagem. O seu único horário é à noite. Ele está pouco preocupado se é o velho ou é o novo horário. Tanto faz ser às 03 ou às 02 da manhã . Só torce pela fina e fria chuva da madrugada. Há engenhosidade no plano.

Tenho por minha minha propriedade o direito fundamental garantido pela nossa misericordiosa Constituição Federal, desde que _ claro_ pague o IPTU. Mas o direito não é absoluto. Se sem cautela abro a porta que dá para a área de serviço onde o pobre coitado estava fazendo seu trabalho e ele revoltado me desferisse uma, duas estocadas com essa arma artesanal atingindo minha jugular ou carótida interna _   que ele aprendeu onde ficam, nas lições sobre a anatomia humana nas suas aulas de recuperação social  _   seria  eu  só mais um pai de família, no lugar errado na hora errada a atrapalhar o serviço alheio. Será que dei sorte ?

Em espírito, não necessariamente em verdade, desejaria a ele que não voltasse mais vezes. Fosse procurar outras oferendas em outras propriedades, senão a dele mesmo. Vai homem livre das propriedades alheias, enquanto eu me preocupo em reforçar as grades e contratar um cão mais feroz que não tenha medo de água para vigiar melhor minha reclusão. O desvalido, se cair, ainda tem direito ao Auxílio Reclusão. Eu pago os impostos. Os defensores dos direitos humanos pensaram e pensam nele, em mim não. Quem mesmo leva vantagem no fim ?

E no ocaso ficaria, como fiquei, com  a rústica arma dele. Pediria  que não me processasse. Diria : Sei que não foi uma troca justa. Vossa Senhoria  trabalhou pesado para fabricá-la; as coisas das quais se apossou, eu  já as recebi prontas, a minha mais- valia  não estava ali posta. Peço desculpas pelo susto. Bom furto.

Já disseram que o homem é o lobo do homem ? Pois, bem por via de dúvidas, eu não sendo o cordeiro da dupla _ me recuso a semelhante papel, trataria de dá-lhe no mínimo dois tiros, um de defesa e outro de garantia , quer ser lobo ?  Então que vá ser lá onde os raios o partam ! Fez bem em fugir antes da minha chegada,  o filhote das teorias humanistas. Da próxima vez não farei tanto barulho ( proposital  ),  para ter dar a chance de fugir, escravo do mal...

2 comentários:

  1. Caro Jairo.
    Li atentamente seu depoimento sobre o furto(ao que me parece, visto que pelo que entendi não houve arrombamento, violência nem "grave ameaça" o que constituiria roubo). Lembrei daquele rei hebreu que viveu entre 1040 e 970 a.C - Davi. Escreveu ele no salmo 127: "Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam;" e melhor, "Se o Senhor não guardar a cidade em vão vigia a sentinela." "Davi era o cara", além de matador de gigantes, músico, salmista, era sábio profeta. Estás vendo? Deves rezar mais. Rsrsrsrs
    Um abraço.
    Franciney

    ResponderExcluir
  2. Prezado Franciney,

    Vc tem razão. Além de esquecer da proteção divina, este sentinela aqui dorme demais e é desleixado em deixar coisas ao alcance do ladrão. Como pôr a culpa nos outros é o primeiro defeito humano,para alívio de consciência responsabilizei o cachorro, a despeito de, nessa noite, tê-lo esquecido preso na casa dele...rsrsrrs

    Um abraço

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget

Arquivo do blog