sexta-feira, 18 de maio de 2012

NO BALCÃO DA LANCHONETE

-" Fala aí, Jairobeba, quem é teu candidato para prefeitura de Cruzeiro do Sul nesta eleição ? "

Antes de qualquer coisa devo aqui esclarecer que " Jairobeba" é um neologismo que alguns leitores ( yes, eles ecxistem, bons e baratos_  por isso, raros )  resolveram me nominar. Uma junção do meu primeiro nome com o do blog.

Agora explicado, digo que a esta pergunta respondi não.

Primeiro, porque não existem ainda candidatos. A lei não permite.

Bom. Na realidade é uma parte boboca da lei eleitoral. Esse papo de pré-candidatura, com os "pretensos"  dando entrevistas aos meios de comunicação, sem poder se declarar candidato quando todo mundo sabe que sim, é uma piada. Mas...lei é lei. Como cidadão me vejo na obrigação de obedecer.

Segundo, porque foi-se o tempo que escolhia candidato na véspera, unicamente  por cores partidárias e ideologias. Em nossa política atual não existem mais partidos e ideologia virou coisa regada a cerveja para  bêbados discutirem no happy hour (coisa de assalariado mané)    

Completei que esperaria o período da campanha para ver quem tinha o melhor projeto para a cidade.

_ "Putz, cara tu ainda acredita neste papo de projeto ?" 

Que sacana rapá ! Nesta fui vendido. Não, eu confesso ! Não acredito mais nos tais "projetos". Nem os caras que fazem o marketing, que transforma o candidato, mercadoria de segunda, em embalagem de luxo para vender aos eleitores incautos, acreditam mais. Eles já ultrapassaram aquela fase já prevista por Nietzsche no qual o mentiroso consciente passa a acreditar na própria mentira. Deram a volta completa.

No terreno político sou agora um niilista não tão convencional.

Acredito mesmo é na práxis e isto depois de um determinado tempo.

Como não sou um imbecil anticívico a ponto de não votar, escolherei sim um deles através de uma trinca de itens subjetivos ( não sou um niilista convencional). Aliás, especificamente 'um' entre eles, não. Naquele ali, não mesmo. Me reservarei no direito de não dizer quem, porque a lei... é a lei. 

Este ano anotarei cada promessa de cada candidato majoritário. Coisa fácil de fazer. A propaganda no rádio e tv da eleição municipal é uma comédia, meu gênero preferido.

Durante os próximos quatro anos terei o (des)prazer de desfraldar o compêndio das promessas eleitorais feitas pelo vencedor. Cumpriu ? Não cumpriu ? Vou fazer o trabalho que os assessores deveriam fazer que é permitir ao gestor a chance de corrigir, enquanto é tempo, suas cagadas.

A não ser, é claro, que ao final de cada promessa de campanha, eles_ os candidatos _ digam: " dentro da reserva do possível". Mas eles não dirão, jamais dirão, capitão , pois um candidato em época de eleição  pode ser tudo, menos sincero ao extremo !     

_ " Ahã, e você acredita que isso vai influenciar em alguma coisa para a sociedade? "

Mas é claro que não acredito ! Primeiro porque não tenho mídia o suficiente para tal, seja por falta de oportunidade, seja por falta de qualidade mesmo para ser alguém influente, um formador de opinião...

 _" E..."

Não faço pela sociedade. Faço primeiro por mim, o que na prática geral não significa nada. Além disso, não posso tirar dos outros o prazer estranho de ser enganados e de ser felizes por ter memória curta.

_ " Valeu, Jairobeba, obrigado pela entrevista ..."

Entrevista ? E era uma entrevista ? Caramba, se eu soubesse jamais teria sido tão sincero. Não dá para confiar nesse povo. Vai que publicam isso por aí ...fora de contexto... jamais me chamarão para fazer parte de algo maior. Minha sina é ser um eterno plebeu.


Um comentário:

  1. Jairo, sua postura não difere da minha. Ao invés de agirmos como militantes, agirmos como eleitores, primeiro questionando e avaliando as propostas e depois cobrando, e principalmente não engolindo o discurso fácil. Penso q temos que criar um contraponto ao debate dicotomizado entre campos politicos, criando assim, uma terceira visão,a do cidadão.

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget

Arquivo do blog